Desde o início dos protestos generalizados no Líbano na semana passada, bancos e instituições de crédito permaneceram fechadas, alimentando os temores de uma iminente corrida bancária.

  • Protestos no Líbano levam a fechamento de instituições bancárias
  • O bloqueio nos saques pelo Banco Central do Líbano tem levado a situações desesperadoras
  • Bitcoin pode ser a solução para os bloqueios financeiros no Líbano

Enquanto as atenções da nossa mídia se voltavam para o Chile, na Líbia acontecem protestos parecidos e com demandas diversas. Primeiramente os protestos pedem o fim da corrupção, além de mudanças na estrutura governamental

Bancos libaneses sem dinheiro

Como resultado dos protestos, diversas instituições bancárias e financeiras fecharam, o que levou a um receio de crise na hora dos saques. Conforme o presidente do Associação Libanesa de Negócios explica: “ O dinheiro dos bancos não está com eles, então não, eles não têm dinheiro suficiente para todos que pedirem dinheiro ou transferências“.

Similarmente, a Associação dos Bancos do Líbano teme que os bancos continuem fechados mesmo após o fim dos protestos:

“Na luz da contínua volatilidade da segurança dos clientes e do setor de empregados e suas propriedades, bancos vão continuar fechados na sexta.”

Consequentemente a população tem passado por dificuldades, principalmente os mais pobres que necessitam de dinheiro em espécie para suas transações diárias.

Por causa disso, um grupo de manifestantes se reuniu em frente ao Banco Central do Líbano em Beirut. No tweet abaixo podemos ver um vídeo com os manifestantes reunidos e a seguinte frase:

“O reinado dos bancos deve cair. Em frente do Banco do Líbano”

Os bancos só aceitam depósitos em caixas eletrônicos para o pagamento de salários.

Criptomoedas como solução

Certamente perder a liberdade financeira deve ser uma situação terrível e advinha qual a solução proposta para crises como essa? O uso de criptomoedas, como Bitcoin, Monero, Bitcoin Cash e outras.

Quando o dinheiro de um indivíduo é inacessível e até inexistente, uma vez entregue às mãos de credores regulados centralmente, situações como as que estão sendo testemunhadas no Líbano tendem a acontecer.