O PIX é o sistema desenvolvido pelo Banco Central do Brasil que permitirá transações instantâneas interbancárias, 24 horas, em todos os dias da semana e de forma totalmente digital. Um sistema assim facilitará enormemente a vida de consumidores e comerciantes, mas qual o custo de criar um algo tão importante? Como ele se compara com o Bitcoin?

Para saber quanto será gasto para a manutenção e implementação do PIX fizemos uma solicitação via Lei de Acesso à Informação ao Bacen. Com velocidade pouco comum nos órgãos públicos, o Banco Central nos respondeu em menos de 15 dias úteis.

PIX vai sair mais barato que gastos de deputados com lubrificantes

E a resposta foi surpreendente. A implementação do PIX, o que inclui todos os seus sistemas subjacentes como SPI e DICT, custará apenas R$10 milhões.

Isso significa que um sistema de suma importância para a economia do Brasil custará menos para ser implantado do que os custos de locação e fretamento de veículos da Câmara dos Deputados até o meio do ano.

Os Deputados Federais gastaram no ano R$11.084.838,69 em verbas para locação de Veículos, apesar de receberem um  salário de R$33.763,00 mensais (o suficiente para comprar um carro próprio?). Em 2018, nossos nobres políticos gastaram R$15.377.160,51 apenas em combustíveis e lubrificantes com o dinheiro da cota parlamentar.

Mas não para por aí. O PIX também tem um custo estimado de manutenção. Servidores, desenvolvimento e segurança custam caro. Entretanto, não custam mais caro do que a verba parlamentar dos Deputados Federais.

O custo anual para manter o PIX é estimado em R$9,4 milhões, isso equivale a menos de 2 meses de gastos com propagandas (divulgação parlamentar) da Câmara dos Deputados. Ou seja, com o gasto de 6 meses em Divulgação Parlamentar conseguimos manter por ~2 anos o PIX.

E o sistema será extremamente eficiente gastando menos de R$10 milhões. O PIX é projetado para operar com 99,9% de disponibilidade, quase a mesma disponibilidade do Bitcoin, e com a capacidade de 2 mil transações por segundo.

Para se ter uma ideia, a rede do Bitcoin consegue fazer, em sua capacidade on-chain máxima teórica, 6 transações por segundo. Já o Paypal, que processa 5 milhões de transações por dia e ele roda em média a 193 transações por segundo.

O Banco Central também tem feito um grande trabalho para divulgar as tecnologias por trás do PIX, desde sua ‘interface’, integração com e-commerce e lojas físicas. O que não esperávamos era tamanha eficiência na implementação e manutenção desse sistema.

Mais detalhes sobre o PIX nas lives promovidas pelo Banco Central: