O CEO da Mastercard, Ajay Banga, afirma que as criptomoedas, em geral, não ajudam na inclusão de indivíduos sem conta bancária em sistemas de pagamento e bancos. No entanto, a empresa está longe de ignorar totalmente as moedas digitais.

A opinião de Banga é que ativos como o Bitcoin não farão uma atração tão significativa para a inclusão financeira.

De acordo com o CEO, a alta volatilidade atua como um problema para as criptomoedas. Ele destacou que o valor da cripto mais popular, o bitcoin, flutua em grandes quantidades, enfatizando que apenas este ano, um BTC mudou seu valor em dólares de menos de US$ 5.000 em março para quase US$ 14.000 recentemente.

“O Bitcoin em si é volátil em sua avaliação”, disse Banga, acrescentando:


Quer ganhar Bitcoins?
A gente te ajuda nisso.
Abra uma conta grátis!


 

Você pode imaginar alguém que está financeiramente excluído negociando de forma a ser incluído por meio de uma moeda que poderia custar o equivalente a duas garrafas de Coca-Cola hoje e 21 amanhã? Essa não é uma maneira de incluí-los. Essa é uma maneira de deixá-los com medo do sistema financeiro.

Leia mais: “O Bitcoin fica menos arriscado a cada dia”, diz Michael Novogratz

Cinco anos atrás, o CEO da Mastercard embarcou na missão de ajudar 500 milhões de pessoas em todo o mundo a ter acesso ao sistema financeiro e a serviços bancários. Este ano, o plano foi atualizado para até um bilhão. De acordo com Banga, pessoas sem contas bancárias sofrem com a falta de acesso ao crédito enquanto pagam taxas muito mais altas por transações financeiras por meio de credores de pagamento, etc.

No entanto, a confiança nas criptomoedas permanece

O que o CEO da MasterCard falhou em delinear, no entanto, é a natureza resistente à censura das criptomoedas descentralizadas, bem como as barreiras inexistentes à entrada. 

Ou seja, qualquer pessoa com acesso à internet pode fazer parte da rede sem ter que passar por procedimentos demorados e, em muitos casos, impossíveis de cadastramento para abrir uma simples conta bancária, por exemplo.

Além disso, uma vez que eles se tornam parte dela, não há uma autoridade central que possa ‘desligá-lo’, independentemente de sua situação econômica ou localização atual.

No entanto, há mérito em suas palavras, porque alguns dos desafios inerentes permanecem. Por exemplo, as pessoas precisam de um conhecimento relativamente alto de tecnologia e um computador funcional e conexão à Internet para se tornarem parte da rede do Bitcoin – algo que muitos cidadãos em países do terceiro mundo simplesmente não têm.

Apesar da opinião do CEO, a MasterCard está a caminho de adotar moedas digitais há algum tempo. A empresa fez parceria com a processadora de pagamentos Wirex, sediada no Reino Unido, para expandir seu programa de criptos e ajudar na “adoção e criação de experiências inovadoras no espaço das criptomoedas”.

Leia mais: Satélites que se comunicarão por blockchain entram em órbita em breve


BitPreço, o maior marketplace da América Latina. Compare os preços das principais exchanges do Brasil e mundo, e compre Bitcoin, Ethereum e USDT pelo melhor preço sempre.

Crie sua conta grátis agora!