A Boeing parece estar tentando subornar Estados Unidos. Na quinta-feira, a empresa anunciou um plano de demissão voluntária para seus funcionários, na tentativa de ganhar um resgate do governo.

A Boeing registrou uma perda anual em janeiro de US$ 19 bilhões, o pior resultado em 20 anos. E com a pandemia de coronavírus dizimando as viagens aéreas, seu cenário só piora.

Como resultado, a companhia corre o risco de entrar em colapso. Ela já pediu ao governo um resgate de 60 bilhões de dólares. E com o plano de demissões de hoje, espera-se que o governo dos EUA finalmente ceda ao pedido, pois o ônus dos desempregos estão batendo forte no país.

Boeing está sendo cínica

De acordo com um memorando publicado pelo CEO Dave Calhoun, os funcionários qualificados que desejam deixar a Boeing receberão um pacote de remuneração e benefícios. Como Calhoun escreveu:

“Estamos em águas desconhecidas. Estamos realizando ações com base no que sabemos hoje.”

À primeira vista, a mudança é sensata e consciente. No entanto, ajudar seus funcionários não é realmente o principal objetivo da Boeing no plano de demissões. Tem um motivo oculto.

Com os EUA enfrentando agora 6,6 milhões de reivindicações de desemprego, a carga da segurança social que recai sobre o governo americano é enorme. E só crescerá a cada semana ou mês que se passar em quarentena.

Nesse contexto, a Boeing acha que pode ganhar pontos com o governo. Atualmente, a empresa emprega cerca de 150.000 pessoas. Ao pagar pelos custos de desemprego dos trabalhadores demitidos, reduzirá consideravelmente a carga que atualmente está sobre os ombros do governo.

Em outras palavras, o plano de demissão voluntária é um favor ao governo. Uma espécie de suborno indireto.

O resgate da Boeing

E o que ela quer em troca desse “suborno”? Bom, um resgate de bilhões de dólares, é claro.

Em 18 de março, a Boeing pediu ao governo um resgate de pelo menos US$ 60 bilhões. Essa quantia seria para toda a indústria aeroespacial dos EUA, mas, como a Boeing é basicamente toda a indústria aeroespacial dos EUA, você pode assumir que seria o resgate dela.

Obviamente, o governo dos EUA ainda não confirmou que vai atender o pedido da Boeing.

O pacote de estímulo promulgado na última sexta-feira qualifica a Boeing para uma fatia de US$ 17 bilhões dos US $ 2 trilhões reservados. No entanto, a Boeing disse que não desejaria esse empréstimo se resultasse na participação do governo na empresa.

Daí a necessidade de fazer lobby por algo melhor. Na semana passada, a Boeing anunciou que seu CEO e presidente estariam abdicando dos seus salários.

A companhia também anunciou que suspenderia o pagamento de dividendos e amplificaria a pausa na recompra de ações.

Esses seriam gestos simbólicos destinados a agradar o Congresso e a Casa Branca. Mas com o plano de benefícios de dispensa de quinta-feira, fica claro que a Boeing também queria fazer um gesto maior.

2019 foi ruim, 2020 será pior

Mesmo antes da pandemia de coronavírus, já havia dúvidas sobre o futuro da Boeing.

Dois acidentes fatais causaram a interrupção da produção de seus aviões 737 Max em dezembro.

Agora, está enfrentando o colapso mundial nas viagens aéreas. Relatórios revelaram em março que estariam sacando o valor total de um empréstimo de US$ 13,8 bilhões que haviam garantido em fevereiro.

Desde então, seu rating de crédito foi cortado em várias ocasiões para uma nota bem mais baixa. Por quê? Porque é uma empresa com dificuldades que se torna cada vez mais incapaz de pagar dívidas.

Ações da Boeing em queda. Fonte: Yahoo Finance.

Portanto, ela precisa de um resgate altamente favorável, e é por isso que está tentando fazer favores ao governo dos EUA.

O Bitcoin iniciou sua cadeia de blocos com um protesto contra os resgates governamentais. Qual sua opinião sobre tudo isso? Deixe nos comentários abaixo.


Recomendado para você: