Uma competição chamada Nano Build-Off ofereceu premiações para os 16 melhores projetos com a criptomoeda Nano. Nesta quarta-feira (8), um brasileiro foi anunciado como o 12º ganhador.

Na primeira série da Nano Build-Off Hackaton, criado por @Nanilionaire, cerca de 50 projetos recém-criados passaram pelo escrutínio público e privado para finalmente o anúncio dos vencedores.

ranking dos vencedores do nano build off

As primeiras colocações, que receberam os maiores prêmios em dinheiro, US$ 20.000, US$ 10.000 e US$ 5.000, respectivamente, foram um jogo para celular, um bot para enviar Nano pelo WhatsApp e um block explorer.

O projeto brasileiro

O brasileiro Kaique Nunes ficou na 12ª colocação com o projeto Nano Profile, que permite o usuário associar de forma segura uma imagem de perfil à sua carteira Nano, através de um mecanismo híbrido:

“O conteúdo da imagem é distribuído entre múltiplos “replicators” em uma rede P2P (IPFS), enquanto que a hash da imagem é codificada em formato de conta Nano e armazenada dentro de uma transação na conta do usuário, assinada pelo mesmo.

Essa transação tem como destino uma outra conta específica de queima. Então todos que olharem para essa conta de queima podem saber as contas Nano que transacionaram para lá e qual imagem associaram.”, explicou o desenvolvedor para o Cointimes.

Segundo o criador do projeto que faturou US$ 1.000, as carteiras de criptomoedas precisavam ser mais intuitivas para o usuário comum. Sequências aleatórias de letras e números não parecem fazer sentido para a maioria das pessoas, e não são familiares para ninguém, enquanto nomes e fotos de perfis são simples e fáceis de entender.

Ainda sobre o projeto, Kaique explicou que a origem do projeto veio de uma ideia de criar uma rede social descentralizada:

“A ideia surgiu depois que percebi que, embora a Nano não permita salvarmos bytes extras na transação, podemos usar o campo representative ou as dezenas decimais do saldo para armazenarmos dados arbitrários.

Neste caso usamos o campo representative. Nesse campo deveria estar a conta Nano para qual você delega o poder de voto do seu saldo naquele momento. Mas já que micro-transações com representatives inexistentes não trazem complicações pra segurança da rede, podemos usar esse campo para armazenar outros dados. […]

A princípio essa ideia de armazenar dados em transações Nano tinha como objetivo criar uma rede social descentralizada dentro da Nano. Mas esta técnica sendo usada massivamente provavelmente seria antiquado.

Mas percebi que eu poderia utilizar para fazer algo mais simples, como permitir que os usuários Nano usassem fotos de perfil em suas carteiras.”

Para entender o desenvolvimento do Nano Profile, é preciso saber dessas três partes:

  1. ‘Replicator‘ (escrito em python): tem como função encontrar as transações que contém hash das imagens, buscar a imagem na IPFS e replica-la em seu node. Assim distribuindo mais a imagem, descentralizadamente.
  2. Cliente (atualmente javascript e nodeJS): tem como objetivo automatizar o processo pro usuário que quer salvar sua imagem de perfil. Carteiras e outras aplicações que queiram usar o NanoProfile podem usar o client em sua interface.
  3. API pública (https://api.nanoprofile.online): caso não queiram instalar nada, usuários e desenvolvedores também podem usar a API central do NanoProfile. Esta opção depende do meu servidor, então não é descentralizada. Mas pode ser um começo para quem quiser testar o protocolo.

Mas para apenas usar a tecnologia sem se preocupar com a complexidade do programa, o usuário só precisa usar uma interface simples e intuitiva através da demo em nanoprofile.online.

Por fim, novos hackatons parecem estar chegando e o desenvolvedor brasileiro afirmou que já está pensando nos próximos projetos.

Veja também: Ex-funcionário da IOTA diz que NANO tem a melhor tecnologia