Enquanto o comércio da cidade de Tenino, em Washington, tem dificuldades para se manter aberto, a prefeitura criou a própria moeda local feita de madeira para pagar uma espécie de auxílio emergencial para a população.

Usando uma antiga impressora de 1890 que se encontrava no museu da cidade, a prefeitura emitiu o equivalente a US$ 10.000 em notas de US$ 25. A moeda local é destinada para pagar um auxílio de US$ 300 mensais para famílias que passam por dificuldades econômicas em meio a pandemia.

As notas compostas por folheados de madeira podem ser usadas para comprar produtos e serviços somente localmente por lojas licenciadas. Por isso, são feitas somente a fim de “aquecer a economia” local, e não competir diretamente com a moeda nacional.

wooden money accepted here
“Dinheiro de madeira aceito aqui.”

Ademais, mesmo sendo legal no estado de Washington, o “Dólar Covid”, ou “Dólar Tenino”, como é chamado, não é aceito para compra de maconha, tabaco ou bebidas alcoólicas. As notas de madeira também não podem ser trocadas por dólares americanos.

“Acho que as pessoas gostam e se sentem agradecidas”, disse o prefeito de Tenino Wayne Fournier à CNN. “Existe um aspecto econômico direto e quantificável, mas também um espírito intangível de criar esperança”, acrescentou.

De acordo com ele, a cidade sentiu que precisava resolver as coisas do próprio jeito, se não, ninguém viria para ajudar. A medida acabou chamando atenção das pessoas de cidades vizinhas, fortalecendo também o turismo.

nota de madeira de $25

Uma moeda própria não é uma ideia nova

Essa não é a primeira vez que a pequena cidade de Tenino imprime sua própria moeda em meio a dificuldade econômica. Durante a Grande Depressão, o banco local Citizens Bank faliu e as contas estavam todas congeladas, então em dezembro de 1931 o dólar de madeira de Tenino começou a ser impresso para “salvar a economia”.

A ideia nem mesmo é exclusividade de instituições estatais, na Rússia, por exemplo, a economia da pequena cidade de Kolionovo estava sendo destruída pela falta de dinheiro, até que um fazendeiro decidiu criar a Kolion, sua moeda local privada. Posteriormente, o Kolion acabou inclusive se tornando uma criptomoeda através de um ICO.

Já no nordeste do Brasil, uma comunidade de pescadores da orla de Fortaleza foi “expulsa” pelo governo do Ceará, e decidiram emitir a própria moeda através do Banco Palmas, que ajudou na geração de renda dos moradores  e incentivou novos negócios oferecendo crédito sem burocracia.