Os atentados de 11 de setembro de 2001 moldaram boa parte das decisões de política monetária dos EUA até agora. É fácil de identificar o boom econômico experimentado pela população americana até a década de 90, e após a queda das torres gêmeas, as estruturas econômicas do país revelando as rachaduras.  

Durante a década de noventa, os habitantes do planeta viviam um período de unipolaridade. Com o fim da Guerra Fria, o liberalismo conquistou a hegemonia internacional. 

Entretanto, após a queda das torres, o dólar começa a perder sua força e concorrer com a China, que estava se tornando mais uma potência em ascensão, e agora também o Bitcoin. 

Como o dólar influencia o Bitcoin: após a queda das torres, moeda perde hegemonia - 10 anos após o atentado o Bitcoin era negociado a US$ 5,00; e 20 anos após o atentado o Bitcoin é negociado a US$ 45.696 - Fonte: buybitcoinworldwide.com
10 anos após o atentado o Bitcoin era negociado a US$ 5,00; e 20 anos após o atentado o Bitcoin é negociado a US$ 45.696 – Fonte: buybitcoinworldwide.com

Como o dólar influencia nas criptomoedas

A influência do dólar nas criptomoedas vai muito além da cotação. Sendo uma das maiores moedas fiduciárias do mundo, utilizada em escala global como referência para a cotação de ativos financeiros tradicionais e para sistemas de pagamentos, é fundamental entender a dinâmica do dólar e como sua flutuação pode interferir no universo cripto, incluindo a cotação das criptomoedas em reais (BRL).

Diferenças 

O Bitcoin é uma criptomoeda, que possui um código-fonte aberto e é totalmente descentralizada. Isso significa que ela é passível de ser comprada e vendida apenas no meio digital, que qualquer programador ou desenvolvedor consegue acessar o seu código pela blockchain e que ela não é regulamentada ou controlada por alguma entidade ou servidor central. 

Leia também: 5 Coisas que mudarão no mundo após a adoção global do Bitcoin

O dólar, uma moeda que já foi lastreada ao ouro, hoje em dia é emitida pelo Banco Central dos EUA, o Federal Reserve. Ou seja, ela é uma moeda que é completamente centralizada, e que é regulamentada e controlada por uma única instituição financeira, o FED. Consequentemente, a emissão de dólares, função de controle do FED, não estipula um número limite de dólares em circulação. 

Influência 

O dólar influencia no cenário macroeconômico, que por sua vez influencia nas criptomoedas. Por isso, o Bitcoin, assim como a maioria das criptomoedas, é cotado globalmente em dólar – e muitas vezes, a variação das criptomoedas no Brasil pode simplesmente estar relacionada a uma variação do dólar aqui.

Um estudo da Chainalysis analisou os ganhos em Bitcoin por país em 2020. Os Estados Unidos foi o país que ficou em primeiro lugar, com US$ 4,1 bilhões de lucro, valor muito superior ao visto pela segunda posição, que foi a China, com US$ 1,1 bilhão. 

Ou seja, de uma forma ou de outra, podemos concluir que o dólar movimenta as criptomoedas, seja através de investidores institucionais ou mesmo por pessoas físicas.

Países com maior volume de movimentação de Bitcoins. Fonte: BlueBanx.

    

O fim da hegemonia do dólar ?   

O trauma dos atentados de 11 de setembro de 2001 parou a economia americana. Durante meses a população americana diminuiu o consumo e as empresas diminuíram a produção. 

A Torre Sul do World Trade Center explode em chamas depois do impacto do voo 175 da United Airlines. Fonte: STR REUTERS

Nas bolsas de valores, as ações despencaram com as expectativas ruins sobre a atividade econômica. O presidente do banco central norte-americano, na época Alan Greenspan, classificou o quadro de recessão, embora o Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos não tenha chegado a registrar taxas negativas no período.

Para então estimular a economia, o Fed acelerou a redução dos juros básicos e manteve as taxas baixas até 2004. No lado fiscal, os Estados Unidos ampliaram os gastos militares com a guerra no Afeganistão e com a invasão do Iraque. O comportamento da política fiscal e monetária norte-americana nos anos seguintes aos atentados terroristas, de certa forma, influenciou a crise atual, mas sua contribuição foi decisiva.

Fim da Guerra Fria e início da Guerra ao Terror  

Os anos 90 são anos de crescimento para os EUA, ninguém conseguiu rivalizar com a nação americana, na época. Até o final da década de 90 as reservas internacionais de todos os países eram majoritariamente em dólar. O Brasil fazia comércio com a América Latina e a China em dólar. 

Em 2001 as contas públicas estavam em superávit. O endividamento era bem baixo – cerca de 60% do PIB. E com esse dinheiro todo os EUA conseguiram financiar sua “polícia global”, influenciando não só a cotação do Bitcoin (a partir da sua criação em 2009), mas também as políticas econômicas dos países emergentes e os territórios vigiados pelas suas forças militares. 

Dois policiais ao lado de um cartaz repartido por um diário de Nova York, em 18 de setembro de 2001, que pede a captura de Osama Bin Laden, com o lema: “Busca-se morto ou vivo”, depois do ataque terrorista de 11 de setembro às Torres Gêmeas de Nova York e ao Pentágono, em Washington – Fonte: RUSSELL BOYCE REUTERS

Rachadura econômica 

Após o 11 de setembro, os Estados Unidos colocam de fato suas botas em territórios inimigos – “Boots on the ground”. Aquele espetáculo de terror televisionado para toda a população dos Estados Unidos foi o primeiro ataque em território americano desde Pearl Harbor. Por isso, logo em seguida ao ataque, uma Guerra ao Terror foi iniciada. 

A justificativa para os gastos militares na região do Oriente Médio foi a Guerra ao Terror. As políticas monetárias expansionistas incentivaram muito mais o consumo. A população americana não queria perder o status da década de 90, por isso enquanto os soldados americanos lutavam pela soberania dos EUA no Oriente Médio, o governo continuava sustentando artificialmente a ilusão de crescimento econômico.

Evolução do PIB americano entre 1999 e 2008 – Fonte: Editoria de Arte/G1

Contudo, também após a crise de 2008, os EUA e a Europa quebram, a China ascendeu como potência e ainda mais um agente (não governamental) entra nessa batalha econômica global: o Bitcoin. 

Surgimento do Bitcoin 

Após a queda das torres, o dólar começa a perder sua força e hegemonia para outras potências, e nesse balaio, surge o Bitcoin como alternativa descentralizada aos sistemas monetários tradicionais.

Entretanto, o dólar ainda possui uma enorme vantagem econômica. Isso pois ele foi escolhido como a reserva de valor mundial após o acordo de Bretton Woods, status que se manteve mesmo após a quebra do acordo em 1971. Além disso, desde a criação do BTC os Estados Unidos são o país que mais movimenta a criptomoeda no mundo, como já mostramos.

Uma quarta etapa da história do dinheiro parece estar surgindo, a era Bitcoin. Esse evento criaria as bases para uma nova economia mais sólida e resistente, onde os juros correspondem às poupanças e a moeda não pode mais ser desvalorizada artificialmente. Resta saber se as bases do dólar vão sustentar o peso desse novo ciclo econômico. 

Leia Mais: 

Compre Bitcoin na Coinext
Compre Bitcoin e outras criptomoedas na corretora mais segura do Brasil. Cadastre-se e veja como é simples, acesse: https://coinext.com.br