Há 228 anos, o dólar americano foi criado e, desde então, a moeda nacional tem sido poderosa e polêmica ao mesmo tempo. Além disso, desde 1971, após ser lastreado por metais preciosos por décadas, os dólares americanos perderam sua base e as estimativas dizem que um quarto da oferta monetária dos EUA foi criada somente em 2020. O conflito do dólar norte-americano levou vários analistas e economistas a acreditarem que a hegemonia monetária dos EUA está em sua última etapa.

A história da perda de valor do dólar

Enquanto algumas pessoas podem dizer que o bitcoin é complicado demais, é comum que elas não conheçam também o funcionamento da própria moeda estatal. É provavelmente a razão pela qual a própria estrutura de como o dinheiro fiduciário opera continua até hoje, sem questionamento dos cidadãos.

Primeiro, é preciso entender que o Federal Reserve não é uma entidade federal e também não tem reservas. O Federal Reserve, também conhecido como Fed, é uma organização privada e independente do governo dos EUA.

O dólar americano foi concebido oficialmente em 1792 e foi criado em semelhança do dólar espanhol. Na verdade, o peso mexicano e o dólar espanhol possuíam curso legal nos EUA até 1857. Anos antes do início do dólar, o Congresso Continental do país decidiu em 1785 que os dólares e as moedas seriam lastreados em metais preciosos.


Quer ganhar Bitcoins?
A gente te ajuda nisso.
Abra uma conta grátis!


 

certificado de ouro de 20 dólares
Entre 1863 e 1933, os EUA emitiram uma moeda de papel chamada “certificados de ouro”. Basicamente, o portador de um certificado de ouro, unidade de moeda denominada nos EUA, possuía uma quantidade correspondente de barras de ouro. Em 1933, notas de certificado de ouro dos EUA foram retiradas de circulação e os cidadãos foram impedidos de possuí-las até 1964. Uma série rara de certificados de ouro de 1934 também foi criada, uma vez que a “promessa de pagamento” foi alterada para “conforme autorizado por lei”. Curiosamente, o tipo de dinheiro representativo denominado “certificados de prata” também começou em 1863, mas permaneceu em circulação até 1964.

Naquela época, a medição de 375,64 grãos de prata fina (aproximadamente 24 gramas) era um exemplo padrão até que os EUA decidiram diminuir cada vez mais suas garantias em metais preciosos. Os dólares americanos, particularmente a forma de papel que se seguia às moedas, foram mais tarde chamados de “Notas do Federal Reserve”, após o infame Federal Reserve Act de 1913. Na véspera de Natal daquele ano, o presidente Woodrow Wilson ajudou a criar o Fed.

nota de 5 dólares antiga
Em 2009, o ano de nascimento do Bitcoin, o autor Thomas Allen escreveu um artigo abrangente sobre “O primeiro flerte da América com o dinheiro Fiat”, que aconteceu durante a Guerra de 1812. Allen explicou que o ouro estava subvalorizado antes da Guerra de 1812, e nos EUA o dinheiro era dominado principalmente pelos padrões de metais preciosos. Para financiar a Guerra Civil, os EUA também flertaram com moeda não lastreada quando o governo emitiu ‘green backs’ (1861-1862). Da mesma forma, as notas verdes eram pagas ao proprietário conforme autorizado por lei, mas não por moedas de ouro ou prata.

De 1800 a 1900, a economia dos EUA e sua moeda lastreada em metais preciosos cresceram. Ao mesmo tempo, outros tipos de mercado também começaram a crescer, como as bolsas de valores e a criação de bancos centrais. O papel-moeda foi emitido em 1862 sem respaldo e foi invocado para pagar as despesas da Guerra Civil. Também em 1812, os EUA criaram notas de papel sem lastro para financiar a Guerra de 1812. Antes da criação do Federal Reserve, em 1878 os EUA restabeleceram temporariamente a moeda de prata e ouro.

especulação pelas ruas nos EUA
Do século 19 até os dias atuais, banqueiros e participantes do mercado de ações dominam a economia dos EUA.

Antes da introdução do Fed, o Banco da Inglaterra, o Riksbank sueco e o Banque de France foram os primeiros a iniciar o modelo de bancos centrais modernos. No final dos anos 1800, participantes do mercado de ações durante a virada do século foram acusados de administrar “bucket shops“. Os banqueiros da época apostaram contra os fundos de seus clientes e foram pegos em algumas ocasiões. Em 1906, uma decisão da Suprema Corte dos EUA criou uma definição padrão de bucket shop.

“Um estabelecimento, nominalmente para a transação de um negócio de bolsa de valores, ou negócio de caráter semelhante, mas na verdade para o registro de apostas, geralmente de pequenas quantias, sobre o aumento ou queda dos preços de ações, grãos, [e] petróleo”, observa a decisão da Suprema Corte de 1906.

Pânico financeiro e uma conspiração de banqueiros apoiaram a criação do Federal Reserve

Após esse período, a economia dos EUA estava muito frágil e, em 1907, houve um pânico bancário chamado de “Crise Knickerbocker”. Ela gerou uma corrida nacional aos bancos e trustes nos Estados Unidos. Devido ao “pânico dos banqueiros de 1907”, os americanos não confiavam mais no sistema bancário dos EUA.

Welles Bosworth, S.B.P. Trowbridge, J.P. Morgan Jr., William Rockefeller e Theodore N. Vail em Jekyll Island.
A Ilha Jekyll é um destino para a elite mundial há mais de 3.500 anos, de acordo com historiadores. A foto acima mostra a primeira ligação telefônica transcontinental feita dois anos após a criação do Federal Reserve. O portal federalreservehistory.org diz que a “reunião secreta em uma [Ilha Jekyll] isolada na costa da Geórgia em 1910 lançou as bases para o Sistema da Reserva Federal”. Na imagem, da esquerda para a direita: Welles Bosworth, S.B.P. Trowbridge, J.P. Morgan Jr., William Rockefeller e Theodore N. Vail em Jekyll Island.

O pânico financeiro após o susto em 1907, além dos banqueiros de Wall Street que eram membros do ‘Money Trust’ ou da ‘House of Morgan’ pressionaram o presidente Woodrow Wilson a promulgar o Federal Reserve Act. Em 23 de dezembro de 1913, Wilson, com a ajuda do Congresso dos EUA na época, e os banqueiros do Money Trust criaram o banco central para estabilizar as taxas de juros de longo prazo, oferta monetária do país e emprego.

Deste ponto em diante, os dólares americanos tornaram-se Notas da Reserva Federal (FRNs), mas ainda eram resgatáveis por metais preciosos (prata e ouro) até 1933. Os banqueiros do Money Trust, que consistiam em membros do Morgan, Rothschild, Heinze, Rockefeller, e as famílias Warburg, não apenas influenciaram os mercados, mas também políticos como o 32º presidente dos Estados Unidos, Franklin Delano Roosevelt. Uma rápida olhada nos documentos do Fed de St. Louis e nas audiências de Pujo mostram como Roosevelt era uma espécie de fantoche da Casa Morgan.

Ordem executiva de Nixon
Franklin Delano Roosevelt (FDR) também desempenhou um papel importante na desvalorização do dólar americano e trabalhou secretamente com os banqueiros da Casa de Morgan nesta época.

O pânico financeiro na América novamente criou uma desculpa para FDR trabalhar com os banqueiros atrás das cortinas. Como mencionado acima, os dólares americanos já foram resgatados por ouro, mas o feriado bancário de FDR e a proibição da posse de ouro mudaram tudo isso em 1933. A Ordem Executiva 6102 de Roosevelt assinada em 5 de abril de 1933 “proíbe o entesouramento de moedas e barras de ouro.”

Parece que após remover a capacidade de resgatar ouro, o Federal Reserve, o governo dos EUA e outros membros do banco central em todo o mundo perceberam que o jogo fiduciário sem resgate poderia não durar muito. Então, 11 anos depois, em 1944, o pacto de Bretton Woods foi firmado, o que foi o primeiro passo para o estabelecimento do petrodólar.

Naquela época, todas as nações aliadas da Segunda Guerra Mundial participaram e concordaram que a associação dos bancos centrais manteria as taxas de câmbio baseadas no dólar americano. Em vez de usar o padrão ouro diretamente, um país resgataria sua moeda em dólares americanos.

Despesas da Guerra do Vietnã revelam problemas do dólar americano

Como de costume, os gastos de guerra fizeram com que o Federal Reserve, os gestores da moeda dos EUA continuassem a criar muito mais dólares. Parte do acordo de Bretton Woods foi o dólar americano usado porque, na época, os EUA detinham três quartos do ouro mundial. Ou seja, o governo dos EUA e o Federal Reserve eram confiáveis, pois o suposto ouro poderia apoiar o fornecimento monetário.

Cena de guerra
As guerras dos EUA são a razão número um para a criação excessiva de dinheiro sem lastro. Eventos como a Guerra de 1812, a Guerra Civil, a Guerra do Vietnã e todos os conflitos no Oriente Médio são causados pelos Estados que se beneficiam da guerra. Atualmente não é diferente, já que nesta semana o democrata Joe Biden se tornou o terceiro presidente americano consecutivo a atacar a Síria.

Durante a Guerra do Vietnã, as despesas de guerra foram tão grandes que outros países começaram a notar os EUA imprimindo abundantes quantidades de dólares. O presidente Richard Nixon foi então forçado a agir e em 1971, Nixon anunciou que o padrão ouro foi completamente abandonado para apoiar os dólares americanos, quebrando o acordo de Bretton Woods unilateralmente.

Mas Nixon sabia que o dólar tinha que ter algo mais para manter a hegemonia monetária do país viva. Ao retirar a moeda americana do padrão ouro em 1971, ao mesmo tempo Nixon também fez um acordo com a Arábia Saudita. Os dois países decidiram que os preços do petróleo seriam fixados e vendidos em USD.

Essencialmente, isso significava e ainda significa para vários países hoje, que quem quiser comprar petróleo deve trocar sua moeda por dólares americanos. Após o acordo com a Arábia Saudita, os demais países da OPEP seguiram o exemplo e precificaram seu petróleo na moeda dos Estados Unidos.

petrodólar
Depois que o pacote de Bretton Woods começou a desmoronar porque o Fed enlouqueceu imprimindo dinheiro para a Guerra da Coreia e do Vietnã, vários países como a França queriam que suas reservas de ouro fossem devolvidas. Depois do ‘Choque Nixon’ em 1971, os EUA alavancaram o negócio do petrodólar para manter o dólar forte, mas também precisavam de força militar para manter o jogo.

Deste ponto em diante, o Federal Reserve não auditado e o complexo militar-industrial dos EUA cresceram massivamente. Sob o presidente Reagan, Bush, Clinton, GW Bush, Obama, Trump e até mesmo o atual presidente Joe Biden, as batalhas no Oriente Médio continuaram implacáveis para manter o petrodólar forte. Por exemplo, esta semana o governo Biden autorizou ataques aéreos inconstitucionais sobre a Síria sem a aprovação do Congresso.

As gerações americanas estão em guerra todos os anos há décadas, desde então. Pouco antes de 2008, os descendentes e amigos das mesmas famílias de banqueiros da Casa Morgan destruíram a economia americana ao apostar no setor de hipotecas do país. O Fed criou grandes quantidades de dólares nesta época também para salvar a economia e desvalorizou ainda mais as notas sem lastro.

Cerca de um quinto da oferta monetária dos EUA foi criado em 2020

Depois do covid-19, foi muito pior, pois o coronavírus foi aproveitado como uma desculpa para criar quantias absurdas de papel moeda. Somente em 2020, as estimativas mostram que cerca de 23,6% de todos os dólares americanos já criados foram emitidos em menos de 12 meses.

M2 gráfico
Oferta monetária M2 de acordo com dados do FRED. A “M2 consiste em M1 mais depósitos de poupança (incluindo contas de depósito do mercado monetário); depósitos a prazo de pequena denominação (depósitos a prazo em valores inferiores a US$ 100.000) ”, observa o Federal Reserve. O banco central dos EUA nunca foi auditado desde sua criação e fornece seus próprios dados publicados com frequência mensal.

Por décadas a fio, o governo dos EUA tem feito experiências com a criação de grandes quantias de dinheiro sem lastro e geralmente isso é feito para financiar conflitos como a Guerra de 1812, a Guerra Civil, a Guerra do Vietnã e, literalmente, todas as guerras dos país. A Covid-19 permitiu que o Federal Reserve criasse muito mais do que todas as despesas de guerra nos EUA juntas.

Por todas essas razões, os defensores de um dinheiro sólido, os defensores dos metais preciosos e uma grande parte dos defensores de criptomoeda desejam alternativas aos modernos bancos centrais e fiduciários. O suprimento matemático, calculado e escasso do Bitcoin é revigorante para as pessoas em um mundo cheio de manipulação fiduciária. Bitcoin não se parece em nada com o dólar americano, e é provavelmente a razão pela qual os gestores de fortunas em 2021 estão vendendo USD e comprando BTC.

Qualquer pessoa pode ver facilmente que o valor do dólar americano se deteriorou muito ao longo de sua história. É bastante entendido entre os economistas que a moeda dos EUA não é sustentável dessa maneira por muito mais tempo, e muitas outras moedas estatais estão no mesmo barco.

Bitcoin é o salva-vidas de muitos indivíduos e organizações para escapar da devastação ou ser pego na esteira do colapso da moeda dos EUA.

O que você acha da história do dólar americano? Deixe-nos saber o que você pensa sobre este assunto na seção de comentários abaixo.

Leia mais: O dólar é uma fraude?


BitPreço, o maior marketplace da América Latina. Compare os preços das principais exchanges do Brasil e mundo, e compre Bitcoin, Ethereum e USDT pelo melhor preço sempre.

Crie sua conta grátis agora!