Pai e filho da cidade de Washington nos Estados Unidos foram sentenciados a cinco anos de prisão por lavagem de dinheiro e venda de maconha com bitcoin em um esquema ilegal de US$13 milhões.

Kenneth Warren Rule, de 28 anos, foi descoberto lavando dinheiro com bitcoin após ter se reunido com um agente disfarçado em um Starbucks.

Mais tarde, foi revelado que Warren, junto com seu pai de 47 anos, Kenneth John Rule, também estava vendendo produtos de maconha, incluindo óleos de haxixe, por criptomoedas. A dupla acumulou US $13 milhões em vendas e US $2,5 milhões em lucro líquido, tudo sem solicitar uma licença estadual ou pagar impostos.

Em um comunicado, o advogado americano Nick Brown descreveu a operação e o que poderia ter sido um final explosivo para o caso:

Passfolio

“Esse par não apenas produziu e distribuiu produtos de maconha na dark web, violando o esquema regulatório do estado, mas também lavou ilegalmente imensas quantidades de bitcoin que sua empresa ganhou”.

“Quando a polícia entrou, havia mais de uma dúzia de armas de fogo- todas carregadas.”

A operação de lavagem de dinheiro da do “negócio familiar” envolvia viagens frequentes ao Starbucks. E foi no café onde ele conheceu o agente disfarçado que realizou o flagrante.

Os dois discutiram a lavagem de dinheiro em troca de Bitcoin e Warren até compartilhou dicas com o agente sobre como esconder seu dinheiro usando criptomoedas – muito educativo.

No final, Warren trocou US $142.000 em Bitcoin por dinheiro com o agente, que supostamente estaria envolvido com o crime organizado.

No ano passado, um caso semelhante foi concluído quando um residente da Califórnia foi condenado a três anos de prisão após lavar US $13 milhões em Bitcoin.

Os promotores que trabalham no caso de pai e filho disseram: “Talvez, como acontece com frequência em casos de fraude, eles tenham sido motivados por simples ganância. Mas ao administrar seus negócios dessa maneira, eles colocam muitas pessoas em risco e desfavorecem outros na indústria que optaram por seguir as regras.”

Leia mais:

Passfolio