Ontem, a empresa de gerenciamento de ativos multibilionários Goldman Sachs recomendou que os clientes não comprassem Bitcoin.

Embora a empresa tenha falado muito mal da criptomoeda, inclusive comparando com a mania das tulipas, existem vários aspectos positivos que resultam dessa situação.

Goldman Sachs tenta destruir a reputação do Bitcoin

No fim de semana, surgiram notícias de que o Goldman Sachs, com sede em Boston, planejava manter uma ligação com seu diretor de investimentos sobre as perspectivas econômicas dos EUA.

Os tópicos discutidos na chamada incluíram o dólar americano, que enfrenta uma grande inflação da sua oferta, e como os hedges em potencial, como ouro e Bitcoin, entrariam em jogo.

Mas na manhã da ligação, os slides vazaram no Twitter, revelando o que a Goldman Sachs realmente pensava sobre o ativo. Na verdade, eles não acham que criptomoedas como o Bitcoin são uma classe de ativos.

A empresa ressalta ainda que o Bitcoin não gera fluxo de caixa como títulos ou através de ganhos no crescimento econômico. Eles dizem que nem existem benefícios de diversificação devido a correlações incomuns e instáveis.

O mais estranho de tudo é que eles afirmam que o ativo digitalmente escasso no qual apenas 21 milhões existirão, não mostra evidência de ser um hedge contra a inflação. No entanto, a empresa acredita que o ouro serve a essa função.

Ironicamente, eles também chamam atenção para a taxa de inflação estimada anual do dólar de 2%, reduzindo o valor atual do dólar para apenas 82 centavos em 18 anos.

“Não existe propaganda ruim”, Bitcoin pode se beneficiar disso

O Goldman Sachs pode ter batido no Bitcoin, mas outros pilares institucionais gentilmente discordam. Os acordos recentes entre o ex-analista do BTC JP Morgan com a Coinbase e a Gemini mostram que as instituições estão amolecendo em relação a criptomoeda.

O ataque à criptomoeda também é positivo para o Bitcoin de outras maneiras.

A primeira criptomoeda já recebeu exposição de alguns dos indivíduos mais ricos do mundo. Esses investidores de alta classe contam com a consultoria de empresas como a Goldman Sachs. Mas, em última instância, eles quem tomam suas próprias decisões sobre onde colocar seu dinheiro.

Muitos desses indivíduos de grande fortuna podem não ter considerado o Bitcoin como um hedge monetário até agora. Ao fazer sua própria pesquisa, isso pode levar a uma melhor compreensão das criptomoedas.

Existe uma frase popular de que “não existe publicidade ruim”. Esta declaração também é verdadeira para o Bitcoin.

O Bitcoin foi de uma moeda experimental que serviu para comprar pizzas para a moeda da darkweb. Mas, conforme o tempo passou, ao longo dos anos se tornou um ativo financeiro respeitado.

Onde hoje também é o ponto focal de uma ligação do Goldman Sachs para alguns dos investidores mais importantes do mundo. Dez anos atrás, o mundo nem sabia o que era.

Assim, enquanto o Goldman Sachs procurou desencorajar os investidores a comprarem o Bitcoin com todo o recente hedge contra a inflação, no final, eles apenas cimentaram ainda mais a classe de ativos como algo a que prestar atenção.

Segundo o CoinGoLive, o Bitcoin valorizou 3,92% nas últimas 24 horas, o que reforça esse ponto.