Apesar de mais eficientes e privadas que o Bitcoin, as moedas que usam o protocolo MimbleWimble, tal como a Grin e a Beam, têm a capacidade de processar poucas transações por segundo, pelo menos até o último update da criptomoeda Beam.

No último update da Beam, o Cathode 3.1, a equipe de desenvolvimento introduziu o Laser Beam, a tecnologia de canais de transação essencial para a criação de uma segunda layer, o que permitiria milhares de transações por segundo.

Como o Laser Beam pode ser usado? Os canais de pagamento não são nada novos, o próprio criador do Bitcoin já falava deles desde a primeira versão do Bitcoin. Eles são uma maneira de fazer transações sem utilizar o blockchain, que é caro e lento.

Imaginemos que você tome um café todo dia na padaria do Seu João, na hora de fazer o pagamento seria necessário esperar alguns minutos para a transação ficar segura na rede, além de que, toda vez que você fosse tomar um cafézinho teria que pagar uma taxa para a rede. 

Para contornar esses problemas, você abre um canal de pagamento com o Seu João e toda manhã você atualize o saldo.

No final do mês, você fecha o canal de pagamento, enviando apenas uma transação à rede. Tudo isso com uma grande segurança e mecanismos criptográficos que protegem o Seu João e você.

Essa ideia de canais de pagamento é a base da Lightning Network do Bitcoin, rede que está cada vez mais próxima de ser construída para as criptomoedas Beam e Grin.