Mike Novogratz, CEO da Galaxy Digital e frequentemente noticiado no Cointimes, fez novas afirmações sobre o ambiente macroeconômico no período pandêmico de 2020. Dentre elas, disse a investidores que o Bitcoin tem potencial de ultrapassar o ouro futuramente, quando ficar menos volátil.

+Leia Mais: 3 razões para o ouro atingir sua maior alta em 9 anos

Performance do Bitcoin em dólar em 2020
Performance do Bitcoin em dólar em 2020. Fonte: TradingView

“Bitcoin está dentre os maiores ativos que faço hold, e eu acho que estamos no começo desse ciclo. Sinto que o Bitcoin vai fortemente ultrapassar o ouro, mas eu diria para muito menos gente holdar do que o ouro. Só pela volatilidade”, disse Novogratz ao Fast Money da CNBC.

“A configuração do (cenário econômico) macro é tão perfeita agora para algo como o ouro. Os bancos centrais continuam imprimindo mais dinheiro, de modo que o ouro retira os máximos antigos de US$ 1.950 e continua subindo. Estamos apenas começando isso.”

O Bitcoin como “proteção de capital”

O Bitcoin, assim como o ouro, possui as características essenciais de uma boa reserva de valor, que são: a restrição de oferta (escassez do ativo), a resistência (durabilidade), boa liquidez e possuir outras aplicabilidades.

A criptomoeda possui um limite de 21 milhões de unidades, perdura no tempo com uma excelente segurança garantida pela criptografia, é negociada em todos os lugares do mundo e a tecnologia blockchain possui outras aplicabilidades fora o dinheiro.

+Leia Mais: Argumento de Bitcoin como um hedge global ganha força, diz Pompliano

Ainda com base na sua escassez, um grande pioneiro de fundos de hedge Paul Tudor Jones começou a investir em Bitcoin como hedge para a inflação. E apesar da volatilidade, a criptomoeda tem apresentado retornos assimétricos: alocando 10% do capital em bitcoin, o investidor pode arriscar perder um pouco, mas se a criptomoeda subir em 10x ela dobra todo seu capital.