Breaking News  
Natal –  A versão capitalista que não te contaram Coluna

Natal – A versão capitalista que não te contaram

Despoliticando
Despoliticando

Atenção! Este artigo não tem cunho religioso, apesar deste que vos escreve ser religioso.
Spoiler! Este artigo irá elogiar muito o capitalismo!

“Sou Dollynho, seu amiguinho”
“Dezembro vem o nataaaal. Os presentes mais bonitos as lembranças mais humanas…”

via GIPHY

Se você pegou as referências acima, com certeza se lembrou das músicas. Pode até tentar, mas não dá para ler esses jingles sem cantar junto (ainda que em pensamento), e olhe que tanto a Dolly quanto a Pernambucanas têm outros tão grudentos quanto estes.

Lembro-me que na adolescência ouvi inúmeras críticas ao natal. Quase todas dizendo que era uma festa fútil e capitalista, onde as pessoas gastavam o que não tinham para comprar o que não precisavam. Daí, depois das festas de fim de ano é preciso liquidar o que não foi vendido então TUDO passava a ficar mais barato.

Este não é um fenômeno somente Natalino. Páscoa, dia das crianças, dia das mães… Praticamente durante o ano todo testemunhamos datas que causam ebulição no mercado e até absorvemos umas bem legais como a Black Friday. Então por que aprendemos a demonizar essas épocas?

Eis alguns motivos

Antes veja este vídeo de Saulo Laranjeira, encenando o poeta  “Macambira”, que culpa o Papai Noel pelos acontecimentos com seu pai:


Para a maioria, o Papai Noel de Macambira é e o Capitalismo, mas me atrevo a mudar a perspectiva e dizer que não. Macambira não entendeu que o Capitalismo é o maior criador de oportunidades, maior gerador de empregos e o maior artifício utilizado para melhorar a qualidade de vida das pessoas.

Um exercício simples. Desde quando você acredita que a humanidade começou a melhorar de vida? Qualquer data. Talvez uns 50 anos atrás, ou 100 anos. Quanto? Uns 40 anos atrás, talvez?

A resposta é: desde que o capitalísmo apareceu.
Basta olhar o gráfico abaixo que mostra a evolução do PIB Per Capita Mundial.

Note que até por volta dos anos 1810/20/40, praticamente não houveram grandes variações, mas “de repente” O Gigante Acordoue o mundo começou a ficar mais rico.

Isso foi a chamada Revolução Industrial, que marcou a transição dos meios de produção totalmente manuais para os mecânicos. Isso significa que a partir dessa época a produção de bens e serviços começou a aumentar, que por sua vez trouxe mais pessoas a migrarem dos campos para as cidades e trabalharem em fábricas (olha o emprego aí), e que por sua vez possibilitou a pessoas que antes eram miseravelmente pobres e morriam de fome nos campos a terem outras formas de produzirem seu sustento.

Tudo ficou instantaneamente perfeito? Não, claro que não!
Sabemos que as condições eram insalubres e isso pode ser discutido em outro texto. Mas é inegável que a presença do capitalismo trouxe ao mundo uma nova perspectiva de vida, uma perspectiva melhor.

Vem que tem mais

As pessoas não somente começaram a enriquecer, mas também a viver mais. Abaixo um gráfico mostrando um histórico do aumento o populacional mundial:

Percebam que a partir da mesma época de início da Revolução Industrial a população começou a aumentar absurdamente.

Sabe por que? Por que onde há capitalismo há oportunidades de crescimento em várias esferas principalmente em qualidade de vida, e onde há abertura para atuação do Livre Mercado há mais oportunidades ainda.

Não foi tirando dos ricos e dando aos pobres que as melhorias começaram a aparecer, mas oferecendo oportunidades a eles de construírem a partir do capitalismo sua ascensão social.

E o Natal, Ronaldo?

Segundo o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC), o Natal de 2018 movimentará cerca de 53 bilhões. Diz também a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) que serão gerados mais de 430 mil empregos temporários. Destes, aproximadamente 20% serão efetivados.
Ache o que quiser do natal.

via GIPHY

Diga que é uma festa capitalista, que as pessoas que não são próximas se aproximam repentinamente, que depois do natal tudo voltará a ser como era antes. Você é livre para criticá-lo ou elogiá-lo.

Mas lembre-se que independente do significado que ele tenha para você, para milhões de pessoas ele representa novas oportunidades de melhoria de vida e o sustento para suas famílias. Fora o grande estímulo a caridade, o que por si só é um tremendo trunfo!

O que desejo então a todos aqueles que nos acompanharam em 2018 são ótimos momentos com que vocês amam, muito dinheiro no bolso, muita saúde e claro, MUITO CAPITALISMO pois o mundo que conhecemos cresceu economicamente por tê-lo usado.

Despoliticando
Despoliticando

Prazer, eu sou o Ronaldo, estudante de Processos Gerenciais, entusiasta de criptoeconomia e amante de política. Vou trazer nesta coluna, uma visão um pouco diferente sobre política com muita cultura pop.

O Cointimes utiliza cookies com o objetivo de melhorar sua experiência em nossa página web e adaptar o conteúdo para torná-lo mais útil e acessível. Para mais informações, consulte a nossa política de cookies.