Segundo um recente relatório de um grupo de estudos do G7 (Grupo dos Sete países mais industrializados), apontou que o Bitcoin falhou como meio de pagamento e reserva de valor.

O grupo, que consiste de economistas dos Estados Unidos, França, Japão, Canadá, Itália, Alemanha e Reino Unido, publicou um relatório sobre as stablecoins.

Leia também:
++ Conheça a “solução trilionária” da Ripple para os bancos
++ PicPay anuncia cartão de crédito com CashBack

O relatório reconhece que o sistema de pagamentos atual é lento em transações entre países e incapaz de incluir uma grande parcela da população mundial.

“Globalmente, 1,7 bilhão de de adultos não tem acesso a uma conta para transações, apesar de que 1,1 bilhão deles tem acesso a celulares móveis”, admitiu o relatório.

Entretanto, para eles a solução não passa pelas criptomoedas, pois elas são “muito voláteis”, com interfaces complicadas, têm problemas de governança, escalabilidade e apresentam outros problemas.

“A primeira onda de criptoativos, da qual o Bitcoin é o mais conhecido, até agora falhou em prover um meio confiante e atrativo de pagamento e reserva de valor“, disse o grupo.

Já as stablecoins poderiam ser uma alternativa, pois seriam mais “usáveis” como meio de pagamento e reserva de valor.

O grupo também deixa claro que é necessária uma regulamentação multilateral antes da criação de qualquer stablecoin com alcance global, como no caso da Libra (moeda do Facebook).

A Associação Libra respondeu ao relatório do G7, dizendo que a Libra “operará com transparência e em parceria com os reguladores”, acrescentando: “A Libra está sendo projetada para trabalhar com instituições reguladoras existentes e aplicar as proteções que eles fornecem ao mundo digital”.

O relatório deixa claro a necessidade dos países criarem uma regulamentação para o desenvolvimento das stablecoins, de forma que aumentem a competição e garantam segurança ao consumidor.

O Bitcoin falhou?

Não podemos dizer que o Bitcoin falhou, pois ele é um experimento ainda não concluído e que está em constante desenvolvimento.

A cada dia podemos ver o desenvolvimento de novas soluções para o ecossistema das criptomoedas – novas carteiras, exchanges, inovações na forma de pagamento e melhorias na rede.

Soluções offchain podem ajudar a resolver o problema da escalabilidade em pagamentos usando blockchains descentralizados. Carteiras que usam contatos/IDs (como o PayNym) estão facilitando a usabilidade.

Enfim, seria precipitado dizer que as criptomoedas falharam. Ainda há muito a ser construído.


Cointimes Research | Bitcoin – O relatório mais completo do Brasil sobre o Bitcoin, são 60 páginas que vão te ajudar a entender como o Bitcoin está sendo usado e quais são as próximas tendências dessa criptomoeda.