Exchange que vende eletricidade?

Temos uma novidade no mercado, uma exchange que vende eletricidade. Calma, vou explicar.

Não é novidade que a cada dia surge uma nova exchange de criptomoedas, só no Brasil mapeamos mais de 40 que abriram ou vão abrir neste ano. Alguns pesquisadores chineses também quiseram entrar no negócio, mas em vez de negociar bitcoins eles vão negociar eletricidade.

Um patente criada pela Fudan University  foi revelada recentemente, ela mostra uma proposta de exchange descentralizada que utiliza contratos inteligentes para negociar a compra e venda de energia.

Segundo matéria da Coindesk, os nodes da rede fazem requisição de energia, depois disso um contrato inteligente faz o match de quem requisita com quem está querendo vender energia. A proposta também conta com um sistema que calcula a energia sendo gerada e o preço de mercado.

Diferente do Brasil, na China o governo não é obrigado a comprar a energia a mais produzida. O mercado chinês é um dos maiores produtores de energia renovável do mundo, no ano passado eles foram a economia que mais investiram em energia limpa, foram 53 gigawatts instalados apenas em 2017. Apesar da previsão para 2018 ser um pouco menor, a capacidade a ser instalada ainda é alta se comparada a outros países.

Não são apenas os pesquisadores chineses

Esse é um mercado gigantesco, não apenas os pesquisadores chineses estão correndo por aplicações de blockchain para distribuição elétrica.

A empresa australiana Power Ledger  está trabalhando com a japonesa Kansai Electric Power Co. KEPCO, eles vão criar um sistema de compra e venda distribuído para residências.

A Siemens também está investindo pesado nesse mercado, eles financiam a L03, startup que quer utilizar o blockchain para ajudar na distribuição de energia elétrica em grandes centros urbanos.

Vale lembrar que a Siemens é a responsável pela gestão de grande parte da energia elétrica produzia pela Europa, mesmo pequenos ganho podem representar muito dinheiro nessa escala de gestão.

Brooklyn Microgrid
Lawrence Orsini, fundador e CEO da LO3. Fonte: https://www.siemens.com/

 

O sistema dos pesquisadores chineses está sendo desenvolvido na plataforma Hyperledger da IBM, em conjunto com as soluções open source da rede Ethereum.

O Bitcoin não apenas veio revolucionar o mundo financeiro, mas também modificar como negociamos qualquer tipo de ativo. E se você acha que o Bitcoin vai destruir o meio ambiente, leia o artigo sobre o tema:

https://cointimes.com.br/o-bitcoin-nao-vai-destruir-o-meio-ambiente/