As stablecoins fornecem uma estabilidade muito procurada nos mercados voláteis de criptomoedas.

No entanto, dizem que podem afetar o preço do bitcoin de maneira drástica. O Tether (USDT), em particular, continua a ser amplamente examinado por isso, com processos judiciais recentes sobre conflitos de interesse e manipulação de preços sendo fortemente contestados.

Mais importante, no entanto, é a realidade de que algumas stablecoins são prejudiciais à adoção do bitcoin. Uma espécie de banco de reservas fracionárias 2.0.

Continue lendo:
++ O que são stablecoins?
++ 5 melhores livros para quem quer começar a investir
++ O que é Bitcoin? Como funciona essa criptomoeda?

Com lastro no Estado

Em certo sentido, as stablecoins podem ser divididas em duas grandes classes: aquelas que dependem de decreto (dinheiro emitido pelo governo) e aquelas que alavancam outros ativos ou mercadorias não baseados em decreto pelo seu valor.

O USDT, por exemplo, é um ativo gerenciado centralmente que depende inteiramente do sistema monetário fiduciário para sua estabilidade de valor.

O Tether começou com as reivindicações de ser “1 para 1” e resgatável em dólares americanos, porém essa política foi alterada.

A Tether alterou silenciosamente essa descrição para incluir “moeda tradicional e equivalentes de caixa e… outros ativos e recebíveis de empréstimos feitos pela Tether a terceiros.”

Compreensivelmente, essa mudança causou um alvoroço na comunidade de criptomoedas por pessoas mais céticas.

Argumenta-se que, enquanto o ativo é lastreado, ele não pode ser comparado a reserva fracionária bancária, o processo utilizado pelos bancos regulados pelo governo para emitir mais dinheiro do que o que está realmente disponível, a fim de fornecer liquidez e lubrificar as rodas de uma economia.

Em setembro do ano passado, mesmo essa ideia foi posta em dúvida, quando o co-fundador da Tether, William Quigley, declarou:

“Fosse o Tether apoiado por um dólar ou não, na verdade não importaria se todos concordassem em aceitá-lo e valorizá-lo como um dólar.”

Com a contínua impressão em massa de novas tethers, políticas vagamente redigidas, múltiplos processos judiciais e falta de auditorias completas e abertas, a declaração parece implicar que o Tether poderia tanto ser apoiada pela fé quanto por dólares.

Como o Tether é a stablecoin mais amplamente usada de acordo com os relatórios, e seu valor de mercado cresceu de cerca de US$ 10 milhões para mais de US$ 4 bilhões no espaço de três anos, parece não haver escassez de crentes.

USDT marketcap
Marketcap do Tether USD.

Ironicamente, essa maneira baseada na fé de visualizar uma moeda é semelhante ao sistema em que os próprios dólares americanos são construídos, com uma diferença crítica: o Tether não está forçando você a acreditar nela.

É claro que o dólar não é mais lastreado em ouro como era antes, mas no seu uso em massa. Uso esse que é resultado de não haver outra opção segura.

A recusa em realizar transações dentro dos limites do paradigma baseado em USD geralmente resulta em sequestros, prisões, multas ou outros fatores, e, como tal, é mais fácil concordar e seguir em frente, do que arruinar a própria vida.

Em um sentido muito real, o tether pode ser visto como um ativo fiduciário em cima de um ativo fiduciário do governo. Centralizado, opaco e dependendo da fé, e não da verdadeira viabilidade do mercado por seu valor.

Isso não quer dizer que não seja útil ou viável no atual contexto dominado pelos estatistas, mas para muitos o objetivo do bitcoin era escapar dessa loucura – não abraçá-la sem questionar.