El Salvador anunciou que emitirá títulos de dívida atrelados ao Bitcoin.

E como isso será feito? Através da utilização de uma solução de segunda camada (Liquid Network), desenvolvida pela Blockstream.

Contexto da operação

O presidente Bukele anunciou que construirá a primeira Bitcoin City (“cidade Bitcoin”) do mundo, com 0% de imposto sobre renda, ganhos de capital, propriedades ou folha de pagamento.

Para financiar a construção, serão emitidos inicialmente duas classes de Bonds, totalizando US$ 1 bilhões (cerca de R$ 5,6 bilhões, na cotação de hoje).

Esse montante bilionário será dividido em 2 classes distintas, como explicado a seguir:

  • Primeira classe de Bonds: será um título de dívida lastreado em BTC, onde o país comprará 500 milhões de dólares em ₿ (Bitcoin) a vista, ou “spot”, como é chamado em inglês.
  • Segunda classe de Bonds: será um título atrelado a construção de uma segunda usina geotérmica, que servirá tanto para alimentar a Bitcoin City quanto para alimentar novas fazendas de mineração.

O tipo de investimento envolvido na operação dessa segunda classe é um pouco não usual para investidores de bitcoin, que não estão acostumados a esse tipo de operação atrelada a ativos físicos, no geral.

Entretanto, é um tipo de operação bem comum no mercado tradicional. Com ela, é possível levantar fundos para construção de algum ativo futuro, sem precisar recorrer a empréstimos bancários.

O que são “bonds”?

“Bonds” podem ser traduzidos como “Títulos” ou “Obrigações” (no sentido de obrigação de pagamento). 

Nesse caso, um título é um instrumento de renda fixa (ou até variável, que é menos comum) que representa um empréstimo feito por um investidor (geralmente emprestado de um empresa ou governo), com características semelhantes às de empréstimos comuns (como juros e prazo para pagamento definido), e que podem ser negociados, como um ativo qualquer que paga juros.

Os preços dos títulos são inversamente correlacionados com as taxas de juros que prometem:

Quando as taxas sobem, os preços dos títulos caem, e vice-versa.

Default x Bitcoin

Sobre o prazo de pagamento definido, quando ele não ocorre na data de vencimento acordada, acontece o chamado “Default” (inadimplência), que é quando a empresa ou o governo não conseguem pagar as dívidas anteriores.

Muitas vezes, no caso de Default dos governos, mais moeda é emitida para pagar dívidas antigas. A partir dessa emissão, surge um efeito colateral bastante temido: começa a aumentar a inflação da moeda no país, e a população passa a perder poder de compra dia após dia.

O problema aí é quando esse processo fica fora de controle, e a inflação vira um ciclo negativo e vicioso de emitir novas dívidas para pagar dívidas anteriores, e aumentar a inflação.

Obviamente, esse é um risco que o Bitcoin não vai correr. Isso porque, dado o algoritmo, existe um número limitado de bitcoins a serem minerados no mundo.

Atualmente, existem 18.880.493 BTC em circulação, o que representa 90% do total de Bitcoins que existirá no mundo daqui a algumas décadas (21.000.000).

Leia mais:

A NovaDAX está completando três anos!

Uma das maiores corretoras de criptoativos do Brasil completa três anos no mês de novembro e quem ganha é você! 

Serão até 30 moedas com taxa zero para transações e mais de 80 moedas listadas, com saque disponível na hora e alta liquidez. 

As criptomoedas com as melhores taxas do mercado! Basta ativar o programa gratuito Novawards e aproveitar taxas reduzidas em até 75%.

Conheça ainda o Cartão NovaDAX e peça já o seu.