A Atlas Quantum oferecia um robô de investimentos para seus clientes, mas quando tiveram problemas com a CVM, bloquearam os saques e os investidores ficaram na mão.

Grande parte dos prejudicados recorreram à Justiça para recuperar o que era devido. E depois de inúmeras tentativas fracassadas, algumas vítimas finalmente estão tendo sucesso em recuperar o dinheiro perdido.

Como recuperar o dinheiro investido na Atlas?

Segundo o advogado Artêmio Picanço em uma live, muitos têm o entendimento de que entrar na Justiça não dá em nada, mas “não fazer nada é que não dá em nada“. Se você foi lesado, a sua melhor alternativa é entrar na Justiça com quem já conseguiu fazer isso antes.

Em um caso recente, o advogado Artêmio Picanço conseguiu recuperar R$ 100.000,00 da Atlas Quantum. Em outro caso, o bloqueio de R$ 800.000,00 foi feito, que inclusive ajudou clientes de outras ações, pois as vítimas do caso específico haviam perdido somente 260 mil.

Artêmio Picanço, ao falar com o Cointimes, explicou o que fez de diferente para buscar o direito de seus clientes:

“Nós temos um setor de inteligência no escritório que possibilitou o monitoramento de várias situações relacionados a Atlas, a exemplo de termos encontrado a offshore do Rodrigo Marques”

Ao se referir a offshore do CEO da Atlas Quantum, Picanço explica melhor no seguinte vídeo:

Ao ser perguntado sobre a inclusão da família ou amigos de Rodrigo no caso, o advogado afirmou que ainda estaria investigando isso.

E não é somente a Atlas, mas de acordo com Picanço, em questão de demanda judicial, as empresas que mais lesaram os clientes incluem também Grupo Bitcoin Banco, Genbit e YouXWallet.

O que você precisa fazer como cliente prejudicado por essas empresas é reunir o máximo de provas que conseguir:

  • Prints de tela;
  • Comprovantes de depósito;
  • Eventuais provas de chat.

E então buscar escritórios de advocacia que já tiveram sucesso em casos semelhantes. Você pode alcançar o Artêmio Picanço pelo Instagram.

E não deixe de seguir o Cointimes nas principais redes sociais, Twitter, Facebook, Youtube e Telegram.