Bitfy - 760x150

O Cointimes teve acesso exclusivo a documentos de uma empresa hondurenha que investiga o Atlas Quantum por lavagem de dinheiro e vai processá-la pedindo cerca de 1400 bitcoins.

  • A dívida de R$45 milhões do Atlas;
  • Empresa de Honduras contratou uma equipe de investigação especializada em lavagem de dinheiro;
  • Atlas teria lavado dinheiro no Brasil para atividades ilícitas?
  • Resposta do Atlas Quantum e empresas envolvidas;

Atlas devendo 1467 bitcoins

O CEO do Atlas Quantum já revelou que a empresa deve cerca de 7500 bitcoins aos seus clientes, algo em torno de R$223 milhões. Dessa quantia vultuosa, 1467,1476 bitcoins são devidos a uma empresa hondurenha, segundo documento obtido.

Essa empresa, cujo nome não podemos revelar por motivos legais, oferece soluções de OTC e produtos para o mercado financeiro.

Vale lembrar que Rodrigo Marques (CEO do Atlas) passou anos criando uma corretora de commodities e bitcoin em Honduras.

Black Friday Coingoback

 

Segundo o blog oficial do Atlas, Marques ficou de 2013 até por volta de 2015 no país da América Central:

“Em 2013, o empresário foi para Honduras fundar a primeira corretora de futuros e commodities em Bitcoin.”, diz o blog do Atlas

Conforme revelamos na história não contada do Atlas Quantum, Rodrigo voltou para o Brasil sem muitos recursos financeiros, mas rapidamente conseguiu investidores milionários.

Talvez uma das empresas que ajudou a dar o ponta-pé inicial no Atlas tenha sido essa companhia hondurenha.

Atlas Quantum lavando dinheiro?

Em busca de quase R$45 milhões em bitcoins, a empresa de Honduras contratou uma companhia especializada em investigação de fraudes e lavagem de dinheiro.


Veja também:
++ Corretora de criptomoedas diz que vídeo do Atlas é falsificado;
++ Funcionários do Atlas passaram um ano sem pagamento de salário;
++ CEO do Atlas demite 100 funcionários, que se desesperam com calote nos salários, ouça o áudio


Pelos relatórios gerados, é alegado que existe uma suspeita que as transferências feitas da Atlas Quantum para outras exchanges foram feitas “por meio de atos fraudulentos e ilegais”.

“Existe a suspeita de que essas transferências foram feitas por meio de atos fraudulentos e ilegais, com o possível intuito de lavagem de dinheiro”, diz o documento

Através de um renomado escritório de advocacia brasileiro, a empresa de Honduras, baseada nos seus relatórios e saldos na plataforma Quantum, pretende processar o Altas tanto na esfera civil quanto na criminal.

Até o momento, não tivemos acesso ao relatório da investigação, portanto, não é possível saber o grau de acuracidade dos dados. Pelo que sabemos, o processo contra o Atlas ainda não foi feito.

Tentamos contato com o escritório que está cuidando do caso, mas não obtivemos respostas. Também tentamos contato com a assessoria do Atlas, mas não obtivemos sucesso.

Você acha que o Atlas foi capaz de lavar dinheiro? Deixe sua opinião nos comentários. E não esqueça de seguir o Cointimes no Telegram.


Invista em criptomoedas com segurança, alta liquidez e as menores taxas do mercado.

NovaDAX: a exchange mais completa do Brasil com mais de 25 criptomoedas listadas e a melhor nota de atendimento ao cliente.

Conheça novadax.com.br