Com um número estimado de bilhões de pessoas ficando em casa, trabalhando remotamente ou apenas assistindo a programas on-line o dia todo, a infraestrutura de telecomunicações está sob grande pressão.

Especialistas e empresas estão dizendo principalmente que o risco está longe de ser crítico ainda, mas a UE levou a possibilidade da Internet sofrer um crash a sério.

Crise afeta infraestrutura da Internet na Europa

O epicentro da crise do coronavírus migrou da China para a Europa atualmente. A Itália sofreu boa parte do impacto, com o maior número de vítimas até agora, mas Espanha, França e outros países também estão sofrendo os fortes efeitos da pandemia que cresce rapidamente.

Os governos reagiram impondo toque de recolher aos cidadãos, fechando fronteiras, fechando negócios e adotando várias restrições à vida normal, a fim de retardar a propagação do vírus e “achatar a curva“.

A principal medida que as pessoas comuns foram solicitadas a tomar em resposta a pandemia é ficar em casa e evitar viagens desnecessárias.

Como tal, não é de surpreender que o uso da Internet na Europa tenha aumentado, com funcionários trabalhando remotamente, estudantes tendo aulas on-line e todos transmitindo vídeos.

Isso fez com que empresas de telecomunicações europeias, como a Vodafone e a Deutsche Telekom, disparassem o alarme e a UE reagiu logo.

“Tive uma importante conversa com Reed Hastings, CEO da Netflix. Para vencer o COVID19, nós ficamos em casa. Trabalho remoto e streaming ajudam bastante, mas as infraestruturas podem estar em tensão. Para garantir o acesso à Internet para todos, vamos mudar para a definição Padrão, quando HD não for necessário.”

O Comissário da UE para o Mercado Interno, Thierry Breton, pediu para que a Netflix diminua a qualidade das transmissões na Europa de alta definição para baixa resolução.

Uma hora de vídeo HD da Netflix leva cerca de 3 GB de dados e uma hora de vídeo em definição padrão leva cerca de 1 GB de dados, então a mudança pode reduzir significativamente a quantidade de banda usada.

Netflix, Google, Apple e Amazon reagem

De acordo com estimativas recentes, os serviços de streaming de vídeo podem representar mais de 60% do tráfego global da Internet, sendo a Netflix responsável pelo consumo de 12% da largura de banda on-line em todo o mundo. A empresa foi a primeira das operadoras do mercado a anunciar que tomará medidas para ajudar com a situação na Europa.

“Dados os desafios extraordinários levantados pelo coronavírus – a Netflix decidiu começar a reduzir as taxas de bits em todos os nossos fluxos na Europa por 30 dias”

“Estimamos que isso reduzirá o tráfego da Netflix nas redes europeias em cerca de 25%, garantindo também um serviço de boa qualidade para nossos membros”.

Porta-voz da Netflix

O Google também reduziu as taxas de bits em sua subsidiária Youtube, onde cerca de um bilhão de horas de conteúdo é assistido todos os dias. Isso teria acontecido depois que o comissário da UE Breton conversou com o CEO da Alphabet, Sundar Pichai, e a CEO do YouTube, Susan Wojcicki.

“Estamos assumindo o compromisso de mudar temporariamente todo o tráfego da UE para a definição regular por padrão”

disse a empresa

A Amazon também adotou medidas semelhantes em seu serviço Prime Video:

“Apoiamos a necessidade de um gerenciamento cuidadoso dos serviços de telecomunicações para garantir que eles possam lidar com o aumento da demanda da Internet com tantas pessoas agora em casa em período integral devido ao Covid-19”

“A Prime Video está trabalhando com autoridades locais e provedores de serviços de Internet, quando necessário, para ajudar a mitigar qualquer congestionamento da rede.”

relatou um porta-voz da Amazon

A Disney adiou o lançamento planejado do serviço de streaming Disney Plus na França, a pedido do governo local, enquanto prosseguia com o plano em outros mercados europeus.

Ela também afirmou que reduzirá sua utilização geral da largura de banda em pelo menos 25% em todos os mercados que lançam o Disney Plus em 24 de março de 2020. Isso será feito em resposta a uma solicitação da UE de “garantir o bom funcionamento da infraestrutura de banda larga.”

Segundo relatos de assinantes europeus, a Apple reagiu à situação diminuindo a qualidade de streaming do Apple TV Plus na Europa.

O que você acha da possibilidade de a Internet travar devido à crise global de coronavírus? Compartilhe sua opinião na seção de comentários abaixo.