Com o sentimento do mercado incerto do jeito que está, um ativo que é resoluto e pode resistir a mudanças sísmicas seria de grande importância. No entanto, em tal mercado, esse ativo existe?

Durante a maior parte do século anterior, e mesmo no início do atual, os títulos do tesouro dos Estados Unidos de longo prazo eram considerados esses ativos. Referido como o investimento mais seguro do mundo, esses ativos são apoiados por todo o peso do governo dos EUA e do Federal Reserve.

Investidores reconhecidos como Benjamin Graham e Warren Buffett medem o rendimento dos dividendos de suas ações em relação aos rendimentos destes títulos. Então, em um mercado tão caótico como este, como estão se saindo os títulos do tesouro americano?

Veja também: Warren Buffett explica o que faria se emitisse sua própria moeda, a “Buffett Bucks”

No cenário atual, com cada ativo em queda, os títulos do Tesouro dos EUA de 30 anos estão rendendo menos de 2%. O que isso significa, não apenas para o ativo em si, mas para outros ativos que estão comparativamente melhor, como Bitcoin?

Olhando para o rendimento dos títulos do tesouro de 10 anos mais curtos, ele tem caído consistentemente nas últimas décadas. Essa queda é notadamente exacerbada por cada crise financeira, a crise imobiliária de 2008 e a crise COVID-19 de 2020 impactaram a taxa de juros.

rendimento dos títulos públicos caindo

Na verdade, um relatório recente da Ecoinmetrics analisou os rendimentos acima e sugeriu que a “tendência é bastante clara”, ainda mais após um crash. O relatório dizia:

“Depois de cada crise financeira, rendimentos estão cada vez mais difíceis de encontrar. Mas para o Fed isso não é suficiente. Como estamos nos aproximando do zero, eles podem começar a considerar o controle da curva de juros.”

Outro fator que vale a pena mencionar é a impressão excessiva de dinheiro que contribuiu para a queda das taxas. Essa situação é, sem dúvida, “boa para o Bitcoin, mas provavelmente muito ruim para a inflação no longo prazo”, concluiu o relatório.

Em declarações à AMBCrypto, Nick, autor do referido relatório da Ecoinmetrics, afirmou que isso aponta para a natureza antifrágil do Bitcoin, aludindo ao livro de Nassim Taleb. Nick resumiu a natureza da anti-fragilidade do Bitcoin no contexto do acidente como,

“Basicamente, um sistema é antifrágil se responde positivamente a choques, desordem, crises ou um ambiente volátil. Acho que o Bitcoin é antifrágil em sua essência. O tempo dirá se estamos certos.”

Um exemplo clássico de algo antifrágil é a criatura mitológica grega, Hidra – uma criatura que geraria mais duas cabeças se uma fosse cortada. O próprio criador do Bitcoin, Satoshi Nakamoto, já fez referência à Hidra em uma publicação onde imaginava o governo como um possível atacante de sua rede:

“Os governos são bons em cortar as cabeças de redes controladas centralmente como Napster, mas redes puramente P2P como Gnutella e Tor parecem estar se mantendo.”

O Bitcoin, como um sistema de pagamentos de ponto a ponto (P2P), não possui uma única “cabeça” para ser cortada, fazendo dele uma rede antifrágil por natureza.

Fragilidade de modelos centralizados e anti-fragilidade de redes ponto a ponto. Fonte: Unchained Capital.
Fragilidade de modelos centralizados e anti-fragilidade de redes ponto a ponto. Fonte: Unchained Capital.

Mas não somente o blockchain, como também o próprio ecossistema é descentralizado, com o código aberto, qualquer pessoa pode auditar a rede, procurar por bugs, e propor melhorias. A cada atualização e novas tecnologias que a rodeiam, a criptomoeda tende a ficar mais forte.

Até mesmo Nassim Taleb, autor do livro “Antifrágil” e outros como o “Cisne Negro”, reconheceu o valor do Bitcoin como um ativo sólido em meio à incerteza.

E com a natureza distribuída da criptomoeda, é possível que ela fortaleça seu valor durante uma crise financeira, ou após uma. Uma vez que toda crise é sucedida por bancos centrais aumentando os gastos para reaquecer a economia, os títulos do tesouro, sem dúvida, reduzem seus rendimentos.

Então, devemos reconsiderar quais ativos estão mais firmes e antifrágeis? Se sim, quão bem o Bitcoin e as letras do Tesouro dos EUA se sairiam?

Leia também: Antifrágil: Ciclos Emocionais e Investimentos