Breaking News  
P2P ou “peer-to-peer”: Como funciona uma rede sem intermediários? Bitcoin

P2P ou “peer-to-peer”: Como funciona uma rede sem intermediários?

Entenda como funciona a rede p2p, conceito por trás das criptomoedas.

Lucas Bassotto
Lucas Bassotto

Por que eu deveria saber o que é p2p?

Quem já utilizou serviços de Torrent e fez transaçõs com criptomoedas certamente já se deparou com o termo “peer-to-peer” ou “p2p”.  Apesar de parecer um termo extremamente complexo, a idéia por trás é extremamente simples e intuitiva. Mas afinal, por que você deveria saber o que é p2p? Porque esse sistema simplesmente elimina a necessidade de um terceiro em qualquer prestação de serviços.

O que é p2p?

Um sistema peer-to-peer ou p2p, é também conhecido como sistema ponto-a-ponto. Um sistema p2p, de forma básica, possibilita a transferência de qualquer dado sem a necessidade de um intermediário. Por exemplo: se você quer baixar um filme, você não precisa ir a um site de downloads. Basta pedir que um amigo faça o upload do filme utilizando um programa de Torrent.

rede p2p bittorrent
Rede centralizada vs Rede p2p do BitTorrent.

Dessa forma você consegue baixar o filme direto com o seu amigo, de graça. Você não vai precisar pagar para hospedar um arquivo em um servidor para depois poder baixar o mesmo arquivo. Com a rede p2p, tudo fica muito mais simples e rápido, porque simplesmente não há intermediário.

Isso se tornou graças à rede BitTorrent, onde cada computador da rede baixa um arquivo mas o transmite ao mesmo tempo para o restante da rede. Assim, o uso de banda se torna menor e a rede se torna menos congestionada.

O mesmo conceito de rede “peer-to-peer” também foi aplicado com sucesso nas moedas digitais. A diferença, entretanto, é que essas moedas não utilizam a rede BitTorrent. As moedas digitais utilizam o sistema de blockchain para estabelecer a confiança e o sistema de transações da rede.

Peer-to-peer com as moedas digitais

Nas criptomoedas a rede também funciona da mesma maneira. A principal revolução que elas provocaram foi a eliminação da necessidade de qualquer instituição financeira para a confirmação de transações e o estabelecimento de confiança no sistema.

O dinheiro não precisa mais sair da conta do seu banco e ir para outro banco até chegar na conta de outra pessoa. Com as criptomoedas basta você sinalizar o endereço da carteira de quem vai receber e simplesmente enviar, isso funciona para todos os lugares do mundo.

Enquanto você paga 15% da transação para enviar uma remessa internacional, o Bitcoin com a sua rede p2p faz isso por R$0,50 de taxa em questão de minutos, para qualquer lugar do mundo. Caso queira entender como funciona uma transação de Bitcoin, o vídeo abaixo demonstra na prática o funcionamento.

Para deixar mais ilustrado ainda, segue abaixo uma ilustração de como é uma transação de Bitcoin. Basicamente, você envia sua moeda para a carteira de outra pessoa, a transação é verificada pela rede e a outra pessoa recebe em minutos.

transação bitcoin p2p

Isso é particularmente excelente para a economia, porque diminui a burocracia e principalmente os custos de transação, que normalmente seriam altos se houvesse um banco como intermediadiário. Afinal, uma taxa de TED não é um custo a ser desconsiderado em qualquer transferência de dinheiro.

Peer-to-peer nas negociações de criptomoeda

A maior parte do volume de criptomoedas é negociada nas corretoras ou exchanges, que unem o comprador e o vendedor em um único site. O lado bom é que as negociações ocorrem com mais agilidade e segurança. A Foxbit é um exemplo de corretora que realiza este tipo de serviço.

O peer-to-peer, por outro lado, também é conhecido no mercado de criptomoedas como alguém que compra e vende criptomoedas diretamente de outra pessoa. Esse tipo de transação é mais rápido e mais anônimo, entretanto, são um pouco mais caras quando comparadas com as exchanges no geral. Além disso, é necessário pesquisar a reputação da pessoa com a qual você vai negociar.

Peer-to-peer nas redes sociais

Estão surgindo cada vez mais redes sociais descentralizadas. Isto é, redes sociais sem um dono, com um banco de dados distribuído em uma rede mundial de computadores. Tudo isso é possível através da rede peer-to-peer Blockchain.

Foi censurado nas redes sociais? Temos uma solução para você

Caso tenha gostado, compartilhe com seus amigos nas redes sociais. Se quiser continuar recebendo conteúdos como esse, favorite o Cointimes e ative as notificações clicando no notificações

Lucas Bassotto
Lucas Bassotto

Sou Lucas Bassotto, graduando em Economia. Um grande entusiasta do mundo da criptoeconomia. Atualmente trabalho na Foxbit produzindo conteúdo.

O Cointimes utiliza cookies com o objetivo de melhorar sua experiência em nossa página web e adaptar o conteúdo para torná-lo mais útil e acessível. Para mais informações, consulte a nossa política de cookies.