Em um relatório intitulado “A casa do Brasil em chamas”, o economista Armando Castelar – coordenador do Ibre/FGV – aconselhou os investidores a fugirem do Brasil.

O relatório da reconhecida consultoria internacional Gavekal e assinado por Armando é direto:

“Meu conselho de investimento é o de não correr para um edifício em chamas. Neste momento, é melhor deixar o Brasil para especialistas, loucos, oportunistas de longo prazo e aqueles sem outras opções”.

O economista culpa a reação do governo como responsável pela saída de capitais do Brasil e depreciação do real perante o dólar. Vale lembrar que o real é a pior moeda do mundo em 2020.

“Os investidores estão horrorizados com os custos econômicos dessa reação desastrada, como mostram a saída de capitais e o desabamento da moeda.”

Em um boletim do IBRE publicado em março, também assinado por Armando, é enfatizado as dificuldades financeiras que o Estado brasileiro terá:

“…a situação das contas públicas vai se deteriorar severamente. Com a queda da atividade e do emprego, além do preço mais baixo do petróleo, as receitas públicas vão sofrer forte contração. E, por outro lado, os governos, nos três níveis, serão chamados a realizar novos gastos, na saúde e em programas de compensação e estímulo.”

Para Castelar, a dívida pública pode chegar a 93% se o déficit se consolidar nos esperados 14% do PIB, quase duas vezes maior que a expectativa do Tesouro Nacional.

Ele conclui dramaticamente:

“…os impactos econômicos e sociais da pandemia do coronavírus são apenas comparáveis a um período de guerra mundial.”


Não podemos esquecer que a conta completa do vírus ainda não chegou e já tivemos propostas de confisco de dinheiro rodando no Congresso. Paulo Guedes até mesmo já afirmou que pode começar a imprimir dinheiro para pagar as contas se for necessário.