Breaking News  
Como a prisão de CFO da Huawei pode dar fim à trégua entre China e EUA Economia

Como a prisão de CFO da Huawei pode dar fim à trégua entre China e EUA

Frágil trégua entre China e EUA pode ser comprometida com prisão de CFO da Huawei.

Lucas Bassotto
Lucas Bassotto

CFO da Huawei é presa no Canadá

A prisão de uma importante executiva da Huawei fez com que os mercados de ações despencassem em todo o mundo e ameaça atrapalhar a frágil trégua comercial entre os Estados Unidos e a China. O medo é que CFO da Huawei possa mudar os rumos da trégua comercial.

cfo da huawei faz ações despencarem
Dow Jones despencou ontém de tarde

Meng Wanzhou, CFO da Huawei, empresa chinesa de tecnologia, foi detida em Vancouver no sábado a pedido das autoridades norte-americanas. Um juiz aceitou o pedido de Meng para proibir a polícia e os promotores de divulgarem informações sobre o caso, de modo que informações adicionais sobre por que ela foi presa são limitadas. Mas as consequências foram imediatas.

Os legisladores dos EUA estão condenando a Huawei, que, segundo eles, representa uma ameaça à segurança nacional dos Estados Unidos. Autoridades chinesas pediram a libertação de Meng. Um editorial do tabloide chinês Global Times disse que os Estados Unidos estão apenas tentando sufocar a Huawei porque é um concorrente comercial.

Especialistas alertam que o que acontece com o caso de Weng pode ter grandes implicações para o relacionamento mais amplo entre EUA e China. “Este caso é como um puxão em um fio solto que poderia ser parte de um desmoronamento do relacionamento”, disse Scott Kennedy, especialista em economia chinesa no Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais, em Washington. “Ambos os lados precisam proceder com cautela e um claro sentido de seus interesses de longo prazo”.

O que é a Huawei?

A Huawei é uma empresa de tecnologia chinesa sediada em Shenzhen que vende smartphones e equipamentos de telecomunicações em todo o mundo. No início deste ano, ela se tornou a segunda maior fabricante de smartphones do mundo, atrás da Samsung, de acordo com a IDC. Vende mais telefones do que a Apple (AAPL).

Como um dos principais campeões da China no setor de tecnologia, a Huawei desempenha um papel fundamental nas ambições do país de se tornar uma superpotência global de tecnologia. A empresa vem correndo para desenvolver a tecnologia 5G e é fundamental para os planos da China de dominar o lançamento de redes sem fio super-rápidas.

Mas as preocupações de que os dispositivos da Huawei apresentem riscos à segurança nacional prejudicaram seriamente sua capacidade de crescer no exterior. Agências de inteligência nos Estados Unidos disseram que os cidadãos americanos não devem usar telefones Huawei, e agências do governo dos EUA estão proibidas de comprar equipamentos da empresa.

As preocupações de segurança causaram problemas no Reino Unido. A Nova Zelândia e a Austrália proibiram os equipamentos da Huawei de suas redes móveis 5G. A empresa afirma que seu equipamento é confiável para clientes em 170 países. E ainda apresenta bom desempenho, com receita de US $ 47,4 bilhões no primeiro semestre de 2018. Isso representa um aumento de 15% em relação ao mesmo período do ano passado.

Quem é Meng Wanzhou?

Meng, que também é conhecida como Sabrina Meng e Cathy Meng, é diretora financeira da Huawei e é vice-presidente do conselho da Huawei. Notavelmente, ela é filha do fundador da Huawei, Ren Zhengfei. Além de um breve período no China Construction Bank, a executiva de 46 anos passou toda a sua carreira na Huawei.

Seu irmão, Meng Ping, também conhecido como Ren Ping, trabalha em uma subsidiária da Huawei, e havia especulações de que eles estavam sendo preparados para a sucessão. O fundador da Huawei supostamente descartou isso em uma carta aos funcionários em 2013, dizendo que seus filhos não tinham a visão, o caráter e a ambição de liderar a empresa.

O que sabemos sobre a prisão dela?

Um porta-voz do Departamento de Justiça do Canadá disse apenas que os Estados Unidos querem extraditar Meng e que uma audiência de fiança está marcada para sexta-feira. De acordo com um oficial da lei, o Departamento de Justiça dos EUA solicitou a prisão como parte da investigação em andamento.

A Huawei informou em comunicado que Meng foi detida por autoridades canadenses em nome dos EUA quando ela estava fazendo uma conexão do seu vôo no Canadá. A empresa disse que enfrenta acusações não especificadas no Distrito Leste de Nova York.

“A empresa recebeu muito pouca informação sobre as acusações e não tem conhecimento de qualquer irregularidade da Sra. Meng”, disse um porta-voz da Huawei.

O Wall Street Journal informou em abril que o Departamento de Justiça dos EUA estava investigando se a Huawei violou as sanções dos EUA contra o Irã. A agência se recusou a comentar na quarta-feira.

Como a China respondeu?

A prisão de Meng atingiu um nervo na China. O Ministério de Relações Exteriores do país pediu na quinta-feira a libertação de Meng e para os Estados Unidos e o Canadá explicarem porque ela foi detida.

O governo da cidade de Shenzhen, onde a Huawei está sediada, divulgou uma declaração semelhante. Ele disse que está observando de perto o assunto e pedindo que Meng seja libertada “imediatamente”. O jornal estatal Global Times disse em um editorial que a prisão mostra que Washington está “recorrendo a uma abordagem desprezível de trapaceiro, já que não pode impedir o avanço 5G da Huawei no mercado”.

Ele disse que a medida “obviamente vai contra o consenso” alcançado pelo presidente dos EUA, Donald Trump, e pelo presidente da China, Xi Jinping, sobre comércio, que se reuniu no fim de semana na Argentina.

O que isso significa para a guerra comercial?

A prisão poderia colocar em risco um já precário cessar-fogo no conflito entre os Estados Unidos e a China sobre o comércio e a tecnologia. “Esse tipo de ação afetará a atmosfera em torno das negociações – tornando-as menos propensas a trazer uma solução sustentável”, disseram analistas de risco político do Eurasia Group em nota a clientes.

O Ministério do Comércio da China informou nesta quinta-feira que está confiante de que um acordo comercial com os Estados Unidos ainda pode ser alcançado a tempo de atingir um prazo de 90 dias estabelecido por Trump. Mas o governo chinês está claramente irritado com a prisão de Meng. Muito depende do que Pequim e Washington fazem a seguir.

Um funcionário da administração Trump disse que há um plano para os Estados Unidos buscarem a extradição de Meng. A opinião de algumas autoridades é que ela poderia ser usada como alavanca na China nas negociações comerciais.
A Casa Branca diz que Trump e seus assessores próximos não sabiam que os EUA planejavam fazer um pedido de extradição para Meng antes de seu jantar com Xi no sábado. O conselheiro de segurança nacional John Bolton disse em uma entrevista à National Public Radio que ele estava ciente antes do jantar que uma prisão estava chegando.
Bolton disse à NPR que a Huawei representou “enormes preocupações durante anos” para os EUA em relação ao roubo de propriedade intelectual e às transferências forçadas de tecnologia, duas questões notáveis ​​que o governo está tentando resolver como parte das negociações comerciais.
Originalmente publicado na CNN Business.
Este tipo de conteúdo é relevante para você ou alguma pessoa que você conhece? Se for, siga e compartilhe a página do Cointimes e se mantenha sempre atualizado no mercado – FacebookTwitterInstagram.
Lucas Bassotto
Lucas Bassotto

Sou Lucas Bassotto, graduando em Economia. Um grande entusiasta do mundo da criptoeconomia. Atualmente trabalho na Foxbit produzindo conteúdo.

O Cointimes utiliza cookies com o objetivo de melhorar sua experiência em nossa página web e adaptar o conteúdo para torná-lo mais útil e acessível. Para mais informações, consulte a nossa política de cookies.