Análises on-chain (no blockchain) por parte da Ecoinometrics revelam que existe uma boa possibilidade de vermos um choque de oferta de Bitcoin nas exchanges, fazendo com que uma pequena pressão de compra já seja capaz de elevar sua cotação.

O que é um choque de oferta?

Em economia, o termo choque de oferta é utilizado para designar um evento onde existe uma mudança brusca na oferta de um determinado bem ou serviço. Aumentando ou diminuindo esse fornecimento.

Essa mudança pode ser tanto positiva, quanto negativa. Causando ou uma grande queda, como uma disparada de preços para cima, dependendo de “para que lado” foi o choque de oferta.

Seguindo leis básicas de oferta e demanda, quando a demanda permanecer a mesma (ou sofrer poucas alterações), caso a oferta do produto diminua subitamente, seu preço tende a subir, enquanto caso a oferta do produto aumente subitamente, seu preço tende a cair.

Saiba mais: Descubra de quanto é a inflação real da moeda brasileira; e como isso nos afeta

Choque de oferta no mercado de criptomoedas

A mesma lei pode ser aplicada em investimentos e, inclusive, para o Bitcoin ou o mercado de criptomoedas como um todo.

A oferta de um ativo cripto pode estar relacionada ao seu fornecimento circulante (total de moedas em circulação no mercado), mas também pode ser medida de acordo com a quantidade disponível desse ativo nas exchanges.

Quando existe um aumento de Bitcoin (BTC) em exchanges, podemos entender que a oferta para negociações no livro tende a aumentar, podendo causar uma diminuição no preço. Enquanto o contrário também é válido.

Menos BTC nas exchanges pode diminuir a oferta de Bitcoin disponível para aquisição e, por consequência, causar uma alta em seu preço.

São por estes motivos que análises on-chain – que monitoram o movimento das criptomoedas em exploradores de bloco, na blockchain – são muito importantes no momento de montar uma estratégia de investimento e avaliar o potencial dos ativos.

O que a Análise on-chain diz sobre o preço do Bitcoin, segundo Ecoinometrics

A Ecoinometrics publicou novas análises on-chain com uma retrospectiva de 2021; avaliação do período “normalmente bullish” no mercado financeiro – entre o natal e as primeiras semanas de janeiro -; e perspectivas tanto negativas quanto positivas sobre o que podemos esperar do Bitcoin para 2022.

Entre as análises, está um gráfico que mede a movimentação de BTC para fora das exchanges, diminuindo a oferta de bitcoin para negociação no mercado aberto.

Gráfico demonstrando choque de oferta no bitcoin em 6 meses, com movimentações em cores e linhas

Cores frias significam entrada de bitcoin nas carteiras conhecidas das exchanges, enquanto cores quentes significam a saída destes.

No eixo da esquerda vemos a variação de preço em gráfico linear, com o comparativo das entradas e saídas.

Através do gráfico não é possível observar uma correlação direta entre oferta e preço, mas isso ocorre porque no curto prazo (janela temporal do gráfico), outros fatores podem influenciar, mais significativamente, tanto o aumento de preços, como a movimentação on-chain.

Por exemplo, no dia 03 de janeiro foi celebrado o #ProofOfKeys evento comemorativo que incentiva a retirada dos fundos das exchanges por parte dos investidores.

Ainda assim, a análise publicada pela Ecoinometrics vê essa indicação como algo positivo para o preço, afirmando que:

“Entre todos esses sinais negativos, há algo que ainda parece bom. As moedas estão continuamente deixando as carteiras de exchanges.”

“Claro, nos últimos meses não vimos níveis recordes de fluxos de saída, mas certamente há cada vez menos Bitcoins disponíveis nas bolsas para qualquer um pegar.”

“Então, se por acaso a narrativa virar a favor do Bitcoin novamente, você não precisaria de muita pressão de compra para fazer o preço subir.”

O que significa que a saída de bitcoin das exchanges, por si só, não causa um aumento dos preços, mas ela pode colaborar com essa dinâmica caso outros fatores atuem em conjunto.

Tudo o que sai, nem sempre volta com a mesma velocidade

Um ponto interessante sobre a diminuição da oferta, que pode colaborar para um aumento de preço mais sustentável na sequência, é que normalmente – durante um rali de alta – os valores das taxas de rede do Bitcoin também sobem.

Após um alto fluxo de retiradas de exchanges, esse fenômeno também pode ocorrer ao sobrecarregar a rede com transações que antes não estavam sendo realizadas on-chain.

Isto pode fazer com que bitcoins retirados talvez demorem mais para retornar às exchanges, caso os usuários decidam esperar uma diminuição das taxas de rede em um momento mais propício.

O que pode intensificar o choque de oferta e evitar temporariamente uma possível pressão vendedora decorrente da realização dos lucros por parte dos investidores.

Veja também:

​​Bancos que foram criticados por criador do Bitcoin há 13 anos agora aceitam criptomoedas

[Podcast] Sobraram apenas 10% dos bitcoins e agora?

A NovaDAX está completando três anos!

Uma das maiores corretoras de criptoativos do Brasil completa três anos no mês de novembro e quem ganha é você! 

Serão até 30 moedas com taxa zero para transações e mais de 80 moedas listadas, com saque disponível na hora e alta liquidez. 

As criptomoedas com as melhores taxas do mercado! Basta ativar o programa gratuito Novawards e aproveitar taxas reduzidas em até 75%.

Conheça ainda o Cartão NovaDAX e peça já o seu.