Como um sistema peer-to-peer, o Bitcoin elimina a necessidade de intermediários de confiança para transações serem realizadas de pessoa para pessoa, de qualquer lugar do mundo para outro.

Mas então por que é costume dos bitcoiners usar exchanges? Corretoras de bitcoin são intermediárias de confiança que, teoricamente, seriam desnecessárias para o bom funcionamento da criptomoeda.

O fato é que corretoras trazem ao Bitcoin uma importante liquidez, por exemplo quando possibilitam que um comprador faça negócio com 4 vendedores diferentes de uma vez só, através de um organizado livro de ordens.

Além disso, é mais fácil uma empresa ganhar reputação e confiança em um mercado do que indivíduos. A confiança é essencial para qualquer transação financeira real.

Mas existem trade-offs, como um nível de privacidade menor ou uma demora para efetuar a compra, caso ainda tenha que esperar a verificação da conta. Por fim, muitos usuários querem comprar altcoins com real (R$), o que muitas vezes não é possível.


Veja também: Após regulamentação, corretora anônima de Bitcoin ganha volume no Brasil

Vantagens do P2P

Por ter que esperar a aprovação de documentos, a primeira compra do usuário pode ter a agilidade prejudicada, e em um mercado volátil como o de criptomoedas, isso pode fazer diferença.

Até mesmo a espera da aprovação do depósito pode fazer diferença na cotação que você vai pegar na exchange, isso sem falar nas taxas de negociação e de saque. Isso torna incerta a quantidade de criptomoeda que você vai conseguir por aquele valor em reais, e pessoas gostam de certezas.

Como vendedor de cripto, você pode oferecer certeza para elas, acerte uma cotação e deixe ela fechada, assim o cliente sabe exatamente o quanto vai receber. Para não sair perdendo, nesta cotação você deve incluir todas as taxas que você vai pagar para as exchanges e para os mineradores.

Além da agilidade, talvez a próxima vantagem seja ainda mais importante, a privacidade. Quanto menos pessoas sabem quanto dinheiro você movimenta, melhor.

A Instrução Normativa RFB Nº 1888 permite você movimentar até 30 mil reais por mês sem a necessidade de detalhar as operações de compra e venda.

Agora se você é um comprador de um P2P e se importa com esse aspecto da sua privacidade, procure perguntar se o vendedor movimenta mais do que isso mensalmente, pois se ele declara as operações, ele deve declarar todas, inclusive a sua.

Veja mais detalhes das vantagens que você pode oferecer sendo P2P e cuidados que você deve tomar na palestra de 2017 do Rafael Felício. O evento já ocorreu faz um tempo, porém muitas dicas ainda são valiosas para quem quer se aventurar nesse mercado:

O problema do real e a necessidade da confiança

Para realizar trocas entre moedas, sempre foi necessária casas de câmbio, em muitos shoppings vemos versões físicas dela, onde trocamos reais por dólares ou euros. Com Bitcoin foi a mesma coisa, mas as casas de câmbio são todas online.

Depois do Bitcoin, surgiram diversas criptomoedas alternativas, e as exchanges adicionaram seus pares com o BTC. Mas diferente de moedas fiduciárias, ou seja, títulos não-conversíveis, não lastreados (vem da palavra fidúcia; confiança), os desenvolvedores de cripto procuram ao máximo eliminar a necessidade de confiança.

A fim de evitar golpes, os desenvolvedores da Decred criaram o Atomic Cross Swap, contratos inteligentes entre blockchains diferentes, que permitem uma troca entre criptomoedas sem a possibilidade de calote (se uma das pessoas não enviar a sua parte, o acordo é desfeito sem prejuízos).

Veja como funciona na prática: Atomic cross swap: trocando 0.1 BTC por 10 DCR sem a necessidade de confiar na outra parte.

Com tecnologias como essa, é possível que as exchanges descentralizadas resolvam completamente os calotes nos pares cripto/cripto. Porém, a troca de moeda estatal para cripto sempre precisará de confiança, não tem pra onde correr.

Stablecoins lastreadas em real podem ajudar nesse quesito, mas stablecoins não são criptomoedas trustless, elas dependem da confiança no lastro que oferecem.

Construindo confiança

Dito tudo isso, a primeira coisa que você precisa para ganhar dinheiro oferecendo criptomoedas de forma fácil e rápida para seus clientes é de confiança, afinal eles vão mandar dinheiro para sua conta.

Você deve definir suas regras de forma clara e segura, receber sempre o dinheiro primeiro é o ideal para não cair em golpes, e para isso você deve construir uma reputação com boas avaliações e sem ter problemas com ninguém.

Como ganhar dinheiro, o spread é o lucro?

Por fim, vamos responder a pergunta inicial do post, qual exatamente é o lucro do vendedor P2P? Quanto devo cobrar dos clientes?

Como já comentamos anteriormente, um dos motivos para as pessoas procurarem comprar peer-to-peer é a agilidade, o medo do mercado se virar contra você no meio tempo. Por exemplo, o Bitcoin subir demais antes de você conseguir comprar ou cair demais antes de você conseguir vender.


Veja também: Foxbit lança Depósito Express, será que funciona?


Mas se você vai assumir esse risco para você, o que você cobra do cliente? A resposta é uma margem de segurança, um spread que servirá como proteção para quando o mercado se voltará contra você.

Para seguir o exemplo do Felício, ele cobra Foxbit +3% (ou pelo menos cobrava, na data do vídeo), ou seja, a volatilidade pode ir contra ele até quase 3% (quase porque ainda existem taxas a pagar) sem sofrer prejuízo com a venda. Já se o mercado for num sentido favorável, os lucros da venda serão ainda maiores.

Logo, não dá pra saber quanto você vai ganhar por cada venda, mas uma boa margem de segurança fará com que você perca pouco, quando perder, e ganhe muito, quando ganhar. No fim, vale a pena oferecer esse serviço.


Aproveite para se inspirar e veja quem são as pessoas mais ricas do mundo: