O CEO da BlackRock elogia os esforços do Fed, mas diz que o fundo do mercado de ações é “impossível” de saber, pois o desemprego aumenta e a suspensão das recompras mantém o mercado sangrando.

Desde que as ações começaram a mostrar sinais de leve recuperação em 24 de março, os investidores estão pensando seriamente em comprar na queda. As ações estão consideravelmente mais baratas e a chance de comprar o fundo é algo difícil de deixar passar.

O problema com essa lógica é que os fundos são praticamente impossíveis de prever. Basta perguntar ao executivo-chefe da maior gestora de ativos do mundo, a BlackRock.

CEO da BlackRock acredita que governos devem ser cautelosos nesse momento

Larry Fink, CEO e presidente da BlackRock, escreveu recentemente uma carta aos acionistas elogiando a velocidade com que os bancos centrais reagiram ao impacto da pandemia de coronavírus. Fink escreveu:

“Os bancos centrais estão agindo rapidamente para resolver problemas nos mercados de crédito, e os governos agora estão agindo de forma agressiva para aprovar estímulos fiscais.”

Na carta, o CEO da gestora de ativos de US$ 7 trilhões acreditava que a economia se recuperaria gradualmente. Fink disse que os bancos centrais estão livres de obstáculos estruturais que tiveram que enfrentar durante a crise financeira global de 2008.

Fink enfatizou que ele não está sugerindo que o mercado já atingiu o fundo do poço:

“Isso não quer dizer que o mundo esteja sem riscos, nem sugerir que o mercado chegou ao fundo. É impossível saber.”

Números recordes de desemprego podem afundar o mercado de ações

É difícil ver um fundo no horizonte se você se deparar com enormes catalisadores do bear market. O maior catalisador é, sem dúvidas, o número recorde de desemprego.

O Goldman Sachs espera que o desemprego nos EUA atinja 15% até junho de 2020. O Federal Reserve prevê que o desemprego suba até 32%, o que significa que 47 milhões de trabalhadores serão demitidos.

“O Fed prevê uma taxa de desemprego de 32%. Durante a Grande Depressão, o pico da taxa de desemprego foi em 24,9%.”

Liz Wheeler, apresentadora do Tipping Point na One America News

A onda massiva de desemprego afetaria severamente os fundamentos das empresas de capital aberto, puxando o valuation para baixo. A produção sofrerá e a receita amargará um grande golpe.

Suspensão de recompras de ações favorece o mercado em baixa

Além do desemprego, outro catalisador do bear market é a suspensão das recompras de ações.

A Bloomberg relatou que quase US$ 200 bilhões em recompras de ações foram suspensas. Muitas empresas aumentaram seus preços de ações usando seu fluxo de caixa para financiar recompras generosas.

O programa foi um dos motivos pelos quais muitas ações bateram altas históricas. Sem o financiamento, os compradores provavelmente serão esmagados pelos vendedores que buscam uma saída rápida nas circunstâncias atuais.

Embora o Federal Reserve esteja pronto com uma bazuca de US$ 2 trilhões, as empresas que obtiverem empréstimos do governo não poderão recomprar ações até que o empréstimo seja pago.

Até agora, as condições indicam que o fundo ainda não está à vista.

Veja também: Quando as bolsas voltarão ao seu patamar anterior?