Um dia após descobrirmos o documento que avisava à SEC (CVM dos EUA) sobre as intenções da MicroStrategy em comprar mais bitcoins, o CEO da empresa confirmou a compra de US$175 milhões (aproximadamente R$923 milhões) no criptoativo.

“Em 14 de setembro de 2020, a MicroStrategy concluiu a aquisição de 16.796 bitcoins adicionais a um preço de compra agregado de $ 175 milhões. Até o momento, adquirimos um total de 38.250 bitcoins a um preço de compra agregado de $ 425 milhões, incluindo taxas e despesas.”

afirmou no Twitter Michael Saylor, fundador da companhia.

Como relatamos anteriormente, a MicroStrategy já investiu US$250 milhões e comprou 21.456 BTC em agosto.

Leia também: Maior empresa de Business Intelligence do mundo compra US$250 milhões em Bitcoin

Para Adam Back, desenvolvedor e possível criador do Bitcoin, essa é uma grande notícia que representa o “dinheiro inteligente aumentando a posição no Bitcoin”.

Valor é maior que 51% das empresas listadas na B3

Na cotação atual do dólar e do bitcoin, a Microstrategy acumula R$2.194.857.600.00 na criptomoeda.

O dinheiro investido é maior que o valor de mercado de 51% da B3, que contava com 171 empresas no mês de agosto cujo valor de mercado é inferior a R$ 2 bilhões. Marisa, Bombril, BrasilAgro e outras empresas de renome não alcançam a marca de 38250 btc.

Estamos entrando na “Virtual Wave”

Mas quem é a MicroStrategy? Ela já atua há mais de 30 anos antecipando trends tecnológicas. Foi uma das primeiras empresas a indicar a “Onda Mobile” ainda em 2012, prevendo a explosão do uso de smartphones e o impacto deles no Facebook, Twitter, Amazon e Google.

Dessa vez, eles acreditam na vinda da “Onda Virtual” – trazendo consigo a desmaterialização de produtos e serviços, 

“A Onda Virtual” – uma rápida desmaterialização de produtos, serviços e processos possibilitada por avanços em tecnologia e catalisada pela crise COVID. A MicroStrategy acredita que a transformação digital se acelerou em meio a mudanças rápidas nos requisitos do mercado. Essa dinâmica faz com que muitas empresas repensem suas ofertas, operações e sistemas, bem como seus balanços e estratégias financeiras.”

, explica a empresa