O Movimento Brasil Livre (MBL), é um dos primeiros movimentos políticos de grande expressão no Brasil a aceitar doações de bitcoin. Antes do MBL, o Partido Pirata do Brasil em 2014 e diversos movimentos libertários já aceitavam a criptomoeda de Satoshi Nakamoto.

Após o Partido da Causa Operária (PCO) chamar a criptomoeda de “golpe financeiro da burguesia internacional”, o MBL resolveu aceitar a moeda digital.

O MBL teve um papel fundamental no impeachment de Dilma Rousseff e hoje conta com diversos representantes eleitos pelo país.

Agora, o movimento que foi um dos principais apoiadores do governo Bolsonaro e suas políticas liberais, está pedindo o impeachment do presidente.

MBL e bitcoins?

E para isso, eles querem contar com toda a ajuda possível e inclusive da comunidade de bitcoin.

No rodapé do site mbl.org.br é possível encontrar o endereço de Bitcoin ao lado do logo do movimento.

mbl e bitcoin
3PcsFMpPbg5toAnidzmhdsmBxqgrYCdCNX

Segundo o blockchain.info, o endereço já recebeu 0.07465564 BTC ou o equivalente a R$3.885,07 na cotação da Foxbit hoje.

Ao analisar as transações do MBL no blockchain parece que eles enviam a criptomoeda para alguma exchange. Provavelmente é uma corretora brasileira, devido ao baixo número de bitcoins em sua coldwallet (carteira offline).

Instabilidade política ajudando o bitcoin?

Se por um lado a instabilidade política pode causar diversos problemas econômicos perversos, por outro um possível processo de impeachment poderia enfraquecer ainda mais o real.

A moeda brasileira já é a pior do mundo em 2020 e a valorização do dólar tem ajudado o bitcoin a bater recordes de preço no Brasil.

A criptomoeda já superou ativos tradicionais, como o ouro, Ibovespa e até o S&P500 em abril.

Será que o MBL vai conseguir outro impeachment? Dessa vez ele será movido a bitcoins? Veremos.