Um dos maiores influenciadores do mercado financeiro tradicional lançou um paper atacando o bitcoin. Ele acredita que a criptomoeda valerá R$0 futuramente, veja os motivos. 

Nassim Taleb é o criador do termo de “anti-fragilidade” por meio do seu livro “Antifrágil: Coisas que ganham com o caos”; onde ele explica sobre ativos que ganham força na presença de incertezas. 

Bitcoin, o ativo mais frágil da história?

O paper afirma que o Bitcoin, diferente do ouro ou outros metais preciosos, necessita de manutenção constante. Ou seja, a partir do momento que as pessoas não se interessarem no BTC, seu preço cairá para zero. 

A ideia de Taleb é que as tecnologias são usualmente substituídas por outras melhores. 

Passfolio

as tecnologias tendem a ser suplantadas por outras tecnologias com uma vulnerabilidade em proporção à sua duração de sobrevivência passada (>99% do novo é substituído por algo mais novo), enquanto itens como ouro e a prata se mostraram resistentes à extinção.”

Taleb toca nos principais pontos de defesa do bitcoin, incluindo  sua capacidade de proteger seus usuários contra investidas governamentais, chamando essa característica de falácia. 

Falácia de porto seguro, II (proteção contra regimes tirânicos): Para muitos indivíduos antigovernamentais paranóicos e de outros desconfiados de instituições, bitcoin foi comercializado como um porto seguro – também com um convite aberto para se apaixonar pelo falácia de que um token eletrônico volátil em um ambiente público é um

lugar para o seu tesouro escondido. Por sua própria natureza, o bitcoin está aberto para que todos possam ver.

Mas talvez a principal questão trazida por Taleb seja a utilidade do bitcoin. A criptomoeda ainda não é amplamente usada como moeda de conta e sim é pareada com moedas fiat.

Ele também ressalta da falta de estabilidade do BTC em tempos de crise. A queda de >50% em março de 2020 seria “evidência suficiente” de que o bitcoin não pode ser usado como hedge contra riscos sistêmicos. 

Taleb está certo sobre o Bitcoin?

As críticas de Taleb ao Bitcoin são válidas, mas precisam ser examinadas de perto. 

Primeiramente, Taleb está correto sobre a falácia do “Porto Seguro” na questão da privacidade. O Bitcoin não é privado e inclusive é elogiado pelo aparato de repressão estatal pelo excesso de transparência. 

Nem mesmo a comunicação entre os nodes da rede é criptografada. Isso não é por falta de conhecimento, visto que há propostas para melhorar a privacidade do Bitcoin, contudo, não há vontade da comunidade e muito menos dos desenvolvedores. 

A aposta aqui são soluções fora do bitcoin, como a LN (que conta com diversos problemas de privacidade) e soluções centralizadas de outros blockchains. 

E sobre a utilidade?

O uso do Bitcoin no comércio ainda está longe de ser generalizado. Esta é uma realidade que muitos bitcoiners não se importam, inclusive parte da comunidade prefere que as pessoas usem outros meios de pagamento. 

É o caso de Jimmy Song, famoso desenvolvedor do Bitcoin Core: 

Desenvolvedor do Bitcoin faz tweet sobre usar cartão de crédito a bitcoin

Nesse sentido, a Lightning Network é a esperança para os bitcoiners. Entretanto, nem mesmo as exchanges de bitcoin adotaram a tecnologia. No Brasil, por exemplo, apenas a BIPA  das mais de 22 exchanges aceita pagamentos via LN. 

Então o preço do bitcoin vai a 0?

Provavelmente não, o bitcoin – mesmo que ultrapassado – ainda terá valor como item colecionável visto que é a primeira criptomoeda de sucesso relativamente amplo. Se cards do Pokemón geram interesse de colecionadores, é inferível o mesmo para o BTC. 

Taleb também erra ao chamar o Bitcoin de esquema Ponzi, onde novos entrantes pagam dividendos para investidores antigos, como acontece na Previdência Social do Brasil. O Bitcoin não paga dividendos! Isso mostra a incapacidade ou desonestidade intelectual de Taleb.

Sobre as questão de utilidade e privacidade, tudo está nas mãos da comunidade do Bitcoin. Nos últimos 4 anos, a proposta do time de desenvolvimento aposta no BTC como uma camada onde serão construídos aplicativos para dar recursos como privacidade, anonimato e utilidade. 

Até o momento, as soluções do BTC como meio de pagamento e privacidade deixam a desejar. Não é à toa que moedas como Nano, BCH e Monero crescem nos campos citados. O sucesso do Bitcoin depende exclusivamente das direções tomadas pela comunidade nos próximos anos. 

Passfolio