Um texto de Adeilton Filho.

Todos sabemos que, até certo ponto, o valor de uma moeda está relacionado ao seu uso, portanto, o número de transações realizadas, bem como a crescente capacidade de lidar com mais e mais transações para manter seu valor potencial.

Afinal, as criptomoedas devem antes de tudo oferecer a capacidade de processar transações que atendem à demanda, como um sistema de caixa eletrônico ponto a ponto.

Este é um grande desafio, mas o Bitcoin Cash (BCH) até agora vem se desenvolvendo muito satisfatoriamente. Algumas redes de cartões de crédito de bilhões de dólares já podem ter a demanda por suas transações com clientes suportadas pela blockchain do BCH.

Neste texto serão analisadas quais empresas de cartão de crédito que a BCH poderia ser um forte concorrente.

A primeira rede de cartões de crédito a ser comparada é a Discover Financial Services, que opera as redes Discover e Pulse, e é dona do Diners Club International.

O Discover Card é considerado a terceira maior marca de cartão de crédito nos Estados Unidos. Quando medido pelos cartões atuais, seu valor de mercado é de US$ 26,03 bilhões.

A segunda empresa a ser comparada ao BCH é a JCB, uma empresa de cartão de crédito sediada em Tóquio, Japão. Seu valor de mercado é de US$ 96,85 bilhões.

A terceira a ser comparada é a American Express, que atualmente possui um valor de mercado de US$ 105,39 bilhões. Certamente uma das marcas mais valiosas do mundo.

As estatísticas

O Diners Club International, juntamente com o Discover Card, processou 2,8 bilhões de transações em 2018 em todo o mundo. De acordo com dados do site Statista, portanto, pode-se inferir uma média de 88 transações por segundo.

Em 2018, a JCB processou cerca de 3,9 bilhões de transações, o que resulta em uma demanda média de 123 transações por segundo.

Enquanto a American Express superou as outras com 8,3 bilhões de transações no mesmo ano, o que resulta em uma necessidade média de 263 transações por segundo.

Bitcoin Cash x Cartões de Crédito: comparação e resultados

O BCH com um tamanho médio de transação de 481,62 bytes, pode realizar cerca de 116 transações por segundo. Para uma explicação mais aprofundada, você pode ler o post da Coinanalysis.

Mas, de acordo com os dados extraídos nos últimos 30 dias (15/12/2019 – 14/01/2020), o tamanho médio de cada transação tem sido 384,30 bytes, portanto, a rede seria capaz de processar 146 transações por segundo.

Também sabemos que uma transação “padrão” simples precisa apenas de 226 bytes, logo, teoricamente a rede poderia processar 247 transações por segundo.

Os cálculos neste texto desconsideram a rapidez com que o BCH pode processar blocos e enviá-los. Deste modo, é uma demonstração hipotética de sua potencialidade.

gráfico tamanho da transação BCH
Tamanho médio das transações do Bitcoin Cash nos últimos 30 dias.

Vamos comparar essas diferentes capacidades de processamento com as de redes de cartões. Então podemos produzir a seguinte tabela:

Demanda por transações cartões de crédito e bch
Comparando o processamento do BCH com empresas de cartão de crédito.

A tabela acima mostra que o BCH é capaz de suprir uma demanda maior do que a do cartão Diners Club e Discover Financial.

Usando o tamanho médio da transação dos últimos 30 dias do BCH, que foi de 384,30 bytes, o BCH é capaz de atender, com um superávit de 23 transações por segundo, a demanda por transações de clientes do JCB.

Por fim, a tabela acima mostra que faltavam apenas 16 transações por segundo para atender à demanda dos clientes da American Express, mesmo considerando um tamanho médio de transação em 226 bytes.

Bitcoin cash no podio versus JCB, discover e outros cartões de crédito
A capacidade do Bitcoin Cash só não alcança ainda a demanda da American Express.

Assim, você pode ver os importantes avanços que o sistema BCH fez nos últimos anos. Nota-se seu crescente potencial de se estabelecer como uma moeda comum no futuro e uma ferramenta gratuita para pagamentos diários por uma quantidade significativa de pessoas em todo o mundo.

Para mais análises como essa, siga o Cointimes nas principais redes sociais: Facebook, Twitter e Instagram.