De acordo com um novo relatório de pesquisa publicado pela Digital Asset Data, mais de 10 milhões de BTC estão inativos há um ano.

Os dados mostram que os bitcoins não movimentados representam cerca de 60% da atual oferta cunhada e é o maior número de moedas inativas desde o início de 2017.


Notícias recomendadas:
++ Midas Trend cai no Brasil, mas 68% dos clientes vão continuar investindo
++ Baleia move R$4,5 bilhões em Bitcoin e se torna 2° maior wallet
++ Bitcoin SV tem ganhos de 100% e ultrapassa Bitcoin Cash


10,7 milhões de BTC permanecem parados por um ano inteiro

A Digital Asset Data, empresa de análise de fintech e criptomoeda, publicou recentemente descobertas que mostram que o número de bitcoins que não foram movidos em um ano atingiu 10,7 milhões de BTC (em dólares seria o equivalente a fortuna de Warren Buffett).

Até o momento, há 18,1 milhões de BTC em circulação e o número de moedas intocadas representa cerca de 60,5% da oferta atual.

Apesar do grande número de bitcoins inativos ao longo de 2019, os preços do BTC viram uma volatilidade significativa ao longo do ano.

Além disso, em 2019, os observadores de baleias de cripto testemunharam aumentos de quantidades significativas de BTC sendo movidos de uma carteira para outra.

Sem mencionar que a recompensa por bloco do BTC será cortada pela metade em meados de maio e o número de BTC não movimentados por um ano é o maior desde o início da corrida de touros de 2017.

UTXO set size
Número de outputs não gastos.

Além disso, em novembro a empresa de pesquisa Delphi Digital explicou que mais de 21% dos BTCs não se moveram nos últimos cinco anos.

Os 21,6% ou 3,8 milhões de BTC significam outra alta histórica da rede e a Delphi Digital analisou os dados dos outputs não gastos (UXTO) da blockchain para suas descobertas.

Em relação aos números de dois anos, 38,7% da oferta circulante não se moveu em 24 meses e essa métrica aumentou de 34% quando foi registrada em dezembro de 2018.

O aumento dos ganhos percentuais acumulados no ano das moedas não gastas oferece aos holders de longo prazo mais alavancagem do mercado em relação aos movimentos cíclicos, enfatizou o relatório.

“Essa é uma das coisas que distingue esse mini-ciclo dos verdadeiros ciclos de alta e baixa, pois você não tem detentores de longo prazo lucrando com a alta dos preços”

“Os detentores de longo prazo ditarão os altos e baixos cíclicos, mas são os traders de curto prazo que terão um impacto maior nos preços intra-ciclo enquanto medem, entre outras coisas, o fluxo de dinheiro novo entrando no espaço”.

Este tipo de conteúdo é relevante para você ou alguma pessoa que você conhece? Se for, siga e compartilhe a página do Cointimes e se mantenha sempre atualizado – FacebookTwitterInstagram.