Coingoback

Cazaquistão supera a Rússia em volume de mineração, mesmo assim, a Rússia ainda tenta atrair mineradores que estão migrando da China para outras regiões. 

A Associação Russa da Indústria de Criptomoedas e Blockchain (Racib) anunciou hoje o lançamento de um projeto para migrar os recursos computacionais da mineração mundial para a Federação Russa.

A Grande Migração de Hash-power está em andamento há algum tempo, e a Rússia não quer ficar de fora desta festa.

Racib quer atrair mais mineradores para a Federação Russa

A Associação Russa da Indústria de Criptomoedas e Blockchain (Racib) pretende com o projeto expandir a capacidade de mineração do país, para então atrair mais mineradores de bitcoin.

A Federação Russa, observou a associação em seu anúncio, está entre as cinco maiores nações em produção total de eletricidade. Em algumas regiões, o excedente de energia produzida chega a ser próximo de 50%. Outra vantagem é que o país, de clima frio e pouco povoado em regiões ao norte, melhora a eficiência dos equipamentos de mineração que precisam ser constantemente resfriados.

O projeto será realizado em cooperação com as autoridades centrais, regionais russas, empresas estatais e “um consórcio das maiores mineradoras da China”, segundo a Racib. As equipes de trabalho irão se organizar para participar no desenvolvimento do arcabouço legal, avaliar projetos blockchain, prestar assistência na implementação da digitalização da economia russa e desenvolver padrões e certificação aos participantes do mercado.

Popularização do Cazaquistão 

Apesar de suas fontes abundantes de energia barata, a Rússia está agora atrás do Cazaquistão em termos de mineração de criptomoedas.

Evolução da participação de cada país no hashrate global (média mensal). Fonte: Universidade de Cambridge. Rússia vs Cazaquistão.
Evolução da participação de cada país no hashrate global (média mensal). Fonte: Universidade de Cambridge.

O país da Ásia Central, em menos de dois anos aumentou sua participação na extração global de bitcoins em quase seis vezes, de 1,4% para 8,2%, segundo um estudo realizado pela Universidade de Cambridge.

A popularização do Cazaquistão como um local para a mineração de bitcoin é consequência da repressão chinesa às criptomoedas, mas também é devido ao preço da energia no país. 

A fabricante de máquinas de mineração de bitcoin (BTC) Canaan (CAN), por exemplo, começou a minerar a criptomoeda no país por conta das taxas bem baixas de eletricidade.

Ainda assim, a Rússia tem uma chance de melhorar sua posição, já que o Cazaquistão recentemente introduziu uma sobretaxa para a eletricidade consumida pelos mineradores, apesar da oposição da indústria de cripto local. 

Repressão na chinesa às criptomoedas 

A repressão chinesa às criptomoedas também fez com que o movimento migratório de máquinas de mineração chegasse na Rússia.

The9, uma empresa chinesa de jogos que entrou para o ramo da mineração no início do ano, anunciou semana passada que vai enviar suas máquinas para a Rússia, com intuito de escapar das restrições impostas pelo governo chinês à atividade no país.

Aglomerando todos esses incentivos, a Rússia tem boas perspectivas futuras para o setor de mineração de criptomoedas. Resta saber se sua participação no Hashrate global vai tornar-se tão significativa quanto a participação de China, Estados Unidos e Cazaquistão.

O movimento de inclusão da Rússia – assim como outros países da Ásia e América do Norte –  no processo de mineração evitará outra concentração de recursos em uma só região, o que sem dúvida terá um impacto positivo na estabilidade e segurança de toda a economia digital global. 

Leia Mais: 


BitPreço, o maior marketplace da América Latina. Compare os preços das principais exchanges do Brasil e mundo, e compre Bitcoin, Ethereum e USDT pelo melhor preço sempre.

Crie sua conta grátis agora!