A SpaceChain anunciou nesta quinta-feira (5) que sua tecnologia de hardware wallet baseada em blockchain está prestes a chegar à Estação Espacial Internacional (ISS). A tecnologia está em um foguete SpaceX Falcon 9, que decolou ontem da Flórida.

Leia mais:
++ Enviando mensagem via satélite usando bitcoin
++ Acesse um satélite usando bitcoin

Blockchain em Estação Espacial

Esta é a primeira demonstração de blockchain na ISS. A carteira de hardware será integrada à plataforma comercial da Nanoracks na estação. No entanto, esta não é a primeira vez que o blockchain entra no espaço.

O SpaceChain já enviou duas unidades de hardware para o espaço, iniciando uma rede orbital descentralizada de aplicativos fintech.

A ISS é uma estação espacial posicionada em baixa órbita terrestre. Representa um satélite artificial que pode hospedar vários membros da tripulação. O programa, lançado em 1998, é um esforço conjunto entre NASA, Roscosmos russo, JAXA japonês, ESA europeu e CSA canadense.

A tecnologia foi lançada em um SpaceX Falcon 9, que implantou a cápsula de carga Dragon da SpaceX em órbita. Logo após o lançamento, o Falcon 9 pousou no navio zangão da SpaceX no oceano Atlântico, enquanto a cápsula de carga deve chegar à ISS neste domingo.

Infraestrutura do espaço para impulsionar segurança do blockchain

O SpaceChain ativará a carga útil na ISS para demonstrar o recebimento, a autorização e a retransmissão de transações baseadas em blockchain. As operações serão realizadas criando transações multisig, que envolvem várias assinaturas.

“Todos os dados serão conectados e enviados diretamente através da plataforma comercial da Nanoracks”, explicou a empresa no comunicado.

Para quem não conhece, a comunicação que vai do solo para o satélite é chamada de ligação ascendente e, quando se move do satélite para o solo, é chamada de downlink.

A SpaceChain disse que o teste de sua carga útil da blockchain deve estar pronto no início do próximo ano.

O co-fundador e CEO da empresa, Zee Zheng, explicou:

“O terceiro lançamento da carga útil é um marco significativo não apenas para o SpaceChain, mas também para o desenvolvimento da Nova Economia Espacial.

A integração das tecnologias de espaço e blockchain descobriu novas possibilidades e oportunidades e estamos muito animados com a perspectiva de trabalhar em estreita colaboração com provedores de serviços financeiros e desenvolvedores de fintech, provedores de serviços de IoT, instituições de pesquisa e agências espaciais nos próximos meses para acelerar ainda mais os avanços dentro o ecossistema.”

Jeff Garzik, outro co-fundador do SpaceChain, que atua como CTO, disse que o blockchain era o próximo grande disruptor no espaço. Segundo ele, a empresa pretende corrigir vulnerabilidades para ativos digitais, integrando-os à “Nova Economia Espacial”.