Passfolio

A Mozilla se juntou ao grupo de empresas e organizações voltando atrás na adoção da criptomoeda após uma reação do usuário, dizendo que vai parar temporariamente de aceitar doações para a Fundação Mozilla por meio da plataforma BitPay.

Na semana passada, o desenvolvedor de software por trás do navegador Firefox atraiu a ira de membros influentes de sua comunidade quando pediu doações em Bitcoin, Ethereum e Dogecoin pelo Twitter.

Jamie Zawinski, que co-fundou a Mozilla e a Netscape, bem como várias tecnologias centrais da Internet, respondeu ao pedido de doações observando seu envolvimento na criação da organização e acrescentando, “Todos os envolvidos no projeto deveriam estar profundamente envergonhados com esta decisão de fazer parceria com golpistas Ponzi que incineram o planeta.”

O foco de Zawinski nas preocupações ambientais em torno das criptomoedas é típico do teor das suas respostas. Na tread do Twitter, a Mozilla destacou a necessidade de avaliar como as doações com criptomoedas se alinham com sua postura sobre o clima.

Passfolio

Em janeiro do ano passado, a “administradora de sustentabilidade” da Mozilla, Cathleen Berger, publicou uma lista de compromissos climáticos que argumentava que “a estratégia de mitigação climática mais eficaz é evitar as emissões”. 

Leia Mais: O Bitcoin não vai destruir o meio ambiente

O pé atrás da comunidade 

Muitos usuários do Firefox no Twitter não ficaram felizes em saber que o Mozilla aceita Bitcoin e claramente não sabiam que isso acontecia desde 2014

O coro de dissidência incluiu o cofundador da Mozilla, Jamie Zawinski, que não mediu as palavras ao expressar sua desaprovação. 

“Olá, tenho certeza de que quem administra essa conta não tem ideia de quem eu sou, mas fundei o @mozilla e estou aqui para dizer foda-se e foda-se”, twittou Zawinski. 

O CEO da Blockstream, Adam Back, foi um dos muitos Bitcoiners que resistiram a Zawinski, respondendo: “Acontece que alguns dos primeiros programadores viveram sob uma rocha [e não entendem] sobre #bitcoin. Alguém esvaziou o cérebro de @jwz, ele já me bloqueou e tudo que eu sugeri foi um ex-mozilla com quem conversar para fazer um despejo cerebral. Isso é molho fraco para o famoso hacker @jwz. ”  

Mas Zawinski não estava sozinho em sua reclamação. Peter Linss, que projetou o motor do navegador Gecko usado no navegador Firefox e no cliente de e-mail Thunderbird, juntou-se aos dissidentes. 

“Ei @mozilla, espero que você também não me conheça, mas eu projetei o Gecko, o mecanismo no qual seu navegador é construído”, disse Lines no Twitter. “E estou 100% com @jwz nisso. O quê. O. Real. Porra. Você foi feito para ser melhor do que isso.”

A empresa diz que, embora as tecnologias web descentralizadas continuem a ser uma área importante a ser explorada, eles dizem que muita coisa mudou desde que começaram a aceitar doações com criptomoedas em 2014.

A Mozilla é apenas a mais recente empresa de tecnologia a enfrentar uma reação negativa por adotar o bitcoin, embora isso tenha acontecido com mais frequência recentemente com empresas de jogos e NFTs.

Nos últimos meses, empresas como Kickstarter, Discord, Ubisoft e Square Enix tiveram que se retratar com seus fãs depois de anunciar planos que envolviam criptomoedas ou NFTs

Enquanto isso, em contraste com a reviravolta do Firefox, o navegador com foco na privacidade Brave adotou totalmente as criptomoedas e viu sua base de usuários ultrapassar 50 milhões de usuários ativos em 2021.

Leia Mais:

Passfolio