Coingoback

O ditador da Venezuela, Nicolás Maduro, apresentou nova lei para possibilitar o uso de criptomoedas no comércio internacional. Em discurso ele afirmou:

A lei anti-sanções é a primeira resposta a dar nova força ao uso de petro e outras criptomoedas, nacionais e globais, no comércio interno e externo, para que todas as criptomoedas do mundo, estatais e privadas, pudessem ser utilizadas. Este é um projeto importante que está em desenvolvimento.

Em agosto de 2019, os EUA impuseram fortes sanções econômicas ao regime venezuelano e seus líderes. A ordem executiva assinada por Donald de Trump congelou os ativos da Venezuela bem como excluiu o país do sistema internacional de pagamentos (SWIFT).

Todas as propriedades e interesses em propriedade do Governo da Venezuela que estão nos Estados Unidos … estão bloqueados e não podem ser transferidos, pagos, exportados, retirados ou de outra forma negociados.

Disse à ordem executiva de Trump.

Venezuela e bitcoin, amor e ódio

A Venezuela segue com uma relação de amor e ódio com o ecossistema das criptomoedas. Recentemente, a mineração de criptos no país foi legalizada, desde que os mineradores se conectem à pool estatal do governo e declarem todas os detalhes da atividade.


A hiperinflação causou um verdadeiro caos econômico e deixou milhões de venezuelanos na miséria. A alternativa que muitos encontraram para fugir desse pesadelo foram as criptomoedas. O volume de movimentações p2p no país cresceu exponencialmente nos últimos anos, sendo a Venezuela o terceiro no ranking de adoção das criptomoedas no mundo.

           Volume de Bitcoin na LocalBitcoins Venezuela

Pouco antes, Maduro já havia comentado sobre a possibilidade de se aceitar pagamentos em criptomoedas em todos os setores da economia, apesar delas já serem muito utilizadas no mercado negro. 

O ministro das finanças e o banco central da Venezuela têm novos instrumentos que vamos ativar muito em breve para que todos possam fazer transações bancárias, bem como pagamentos nacionais e internacionais através das contas do banco central. A Venezuela está trabalhando no mundo da criptomoeda.

A Venezuela segue na tentativa de controlar o Bitcoin e as criptomoedas, uma tarefa que nem mesmo a China conseguiu. Por outro lado, o país parece ser o pioneiro em institucionalizar esse mercado que cresce a passos largos enquanto devolve às pessoas liberdades econômicas que, em outra época, estavam centradas na mão de governos.


Leia mais: Venezuela prova que Bitcoin poderia ser alternativa viável ao bolívar


BitPreço, o maior marketplace da América Latina. Compare os preços das principais exchanges do Brasil e mundo, e compre Bitcoin, Ethereum e USDT pelo melhor preço sempre.

Crie sua conta grátis agora!