À medida que os governos mundiais avançam na legislação para cobrar impostos sobre ganhos de capital com bitcoin, ainda existem alguns países que permanecem pró-cripto, permitindo que investidores comprem e vendam ativos digitais sem imposto.

As circunstâncias variam, mas a motivação real se inclina mais para facilitar o aumento do investimento nas indústrias de criptomoedas da respectiva jurisdição, talvez como base para tributação futura.

Por enquanto, isso ainda não aconteceu. Aqui está uma lista de oito países – em nenhuma ordem de importância – que podem ser considerados paraísos fiscais para o Bitcoin, estados que não querem seus ganhos com bitcoins.

1. Alemanha

Se você segurar bitcoin por um ano ou mais na Alemanha, não precisará pagar impostos. Independentemente de quanto dinheiro você ganha vendendo seu BTC, você não paga ganhos de capital desde que tenha mantido suas moedas por um período superior a 12 meses.

Isso mesmo, a maior economia da Europa incentiva o hodl. Mas além disso, eles consideram o BTC como dinheiro privado, ao contrário da visão difundida na maioria dos países desenvolvidos, que encaram as criptomoedas como commodity ou equity.

Na Alemanha, as vendas privadas que não excedem 600 euros (R$ 3.532) são isentas de impostos. As empresas, no entanto, ainda são obrigadas a pagar impostos sobre ganhos emanados do bitcoin por meio de impostos de renda corporativos.

2. Portugal

Em Portugal, as autoridades fiscais renunciaram a todos os impostos sobre negociações e transações em criptomoedas – o que significa que os indivíduos não precisam pagar imposto sobre ganhos de capital ou imposto sobre valor agregado (IVA) ao comprar ou vender criptomoedas.

A Autoridade Tributária de Portugal (PTA) disse que “uma venda de criptomoeda por moeda ‘real’ constitui um exercício de serviço sob demanda e sem IVA.”

Embora os cidadãos não tenham obrigação de pagar imposto de renda ao trocar cripto por fiat, o PTA, no entanto, indicou que as empresas que aceitam moedas digitais como pagamento de bens e serviços estão sujeitas a pagar impostos como IVA e imposto de renda.

No entanto, o alívio do imposto de renda faz das leis de Portugal algumas das mais favoráveis ​​em todo o mundo, dado que o imposto de renda é uma despesa enorme nas contas da maioria dos traders.

3. Cingapura

Tanto indivíduos quanto empresas que detêm BTC ou outros ativos digitais como investimento de longo prazo não são tributados em Cingapura – simplesmente porque o imposto sobre ganhos de capital não existe na própria cidade-estado.

No entanto, as empresas com sede em Cingapura estão sujeitas ao imposto de renda, caso estejam envolvidas no comércio de criptomoedas como um negócio principal.

Aqueles que optam pelo bitcoin como pagamento por serviços prestados ou receita estão sujeitos às regras normais de imposto de renda. As empresas são tributadas pelo lucro gerado em Cingapura.

4. Malásia

Como na vizinha Cingapura, não há imposto sobre ganhos de capital na Malásia. Os trades de criptomoeda envolvendo dinheiro ou outro ativo digital não são tributados no país do sudeste asiático.

No entanto, isso provavelmente mudará se o BTC for reconhecido como moeda legal na Malásia, como tem sido divulgado na imprensa local nos últimos meses.

5. Bielorrússia

No país da Bielorrússia, na Europa Oriental, uma nova lei que entrou em vigor em março de 2018 legalizou a criptomoeda, isentando indivíduos e empresas de qualquer forma de tributação por negociar em ou com ativos financeiros digitais de qualquer maneira, pelo menos até 2023.

Atividades individuais, como mineração ou compra e venda de criptomoeda, são consideradas investimentos pessoais e, portanto, não estão sujeitas a impostos.

Da mesma forma, empresas registradas que operam na zona econômica especial de High Technologies Park, perto da capital Minsk, envolvidas em mineração, comércio, ofertas iniciais de moedas (ICOs) ou outras operações relacionadas a criptografia não são tributadas.

6. Eslovênia

Para a Eslovênia, o sistema tributário para indivíduos e empresas envolvidas com o Bitcoin é bastante diferente.

Embora nenhum ganho de capital seja cobrado dos cidadãos pela venda de criptomoedas, ainda é esperado que eles paguem imposto de renda, independentemente da moeda negociada.

No entanto, as empresas que recebem pagamento em BTC ou na mineração são obrigadas a pagar impostos à alíquota do imposto corporativo.

A tributação das empresas “depende das circunstâncias de um caso específico e das informações fornecidas na declaração: status de destinatário da renda; tipo de renda. Se os lucros são reconhecidos como ganhos de capital, o imposto é de 19%”, afirmam especialistas.

7. Malta

A famosa “ilha blockchain” de Malta não tributa moedas digitais de longa data, seja para ganhos de capital ou IVA. No entanto, as negociações de criptomoedas executadas durante o dia são consideradas semelhantes às negociações diárias em ações ou em moeda estrangeira, atraindo impostos como receita comercial à taxa de 35%.

Malta é talvez um dos países mais amigáveis ​​a criptoeconomia do mundo, iniciando uma legislação que legaliza uma variedade de operações de criptomoedas no país. O governo reconhece o bitcoin “como uma unidade de conta, meio de troca ou reserva de valor”.

8. Suíça

Na Suíça, um dos paraísos de criptomoedas da Europa, indivíduos qualificados que compram, vendem ou mantêm criptomoedas para benefício pessoal não precisam pagar impostos sobre seus ganhos de capital.

No entanto, a renda da mineração, considerada renda por conta própria, é tributada pelo imposto de renda. As negociações rentáveis por profissionais qualificados estão sujeitas a impostos corporativos, enquanto os salários pagos em bitcoin devem ser declarados para fins de imposto de renda.

Mas e então, qual destes países o Brasil deveria se espelhar e por que? Deixe sua opinião nos comentários abaixo! E junte-se a nós no nosso grupo do Facebook!