Passfolio

Rick Rieder, da BlackRock, disse esperar que o banco central dos EUA (Fed) aumente as taxas em três quartos de ponto na quarta-feira, e possivelmente mais duas vezes antes de parar.

O Fed iniciou sua reunião de dois dias na terça-feira (26), e o esperado é que o aumento de 75 pontos base (0,75%) para sua taxa de fundos federais seja anunciada na quarta-feira (27) às 15h BRT. 

O presidente do Fed, Jerome Powell, deve falar à imprensa às 15h30.

Rieder, diretor de investimentos da BlackRock, acredita que o Fed deve aumentar mais 50 pontos base em setembro, e então, quando os mercados “chegarem ao lugar certo,” talvez o Fed “aumente mais 25, e acho que é isso.”

Passfolio

Rieder disse que está observando o briefing de Powell para obter pistas sobre o quanto o banco central está preocupado com a desaceleração da economia.

“A questão é observar o que eles fazem, não o que eles dizem,” sugere Rieder. “Ou seja, acho que o aumento dos 75 pontos ou a declaração não vão ser tão interessantes, e eu acho que eles têm que diminuir a parte econômica da declaração. Mas acho que o que ele diz será mais importante pois os dados não são ambíguos quanto à desaceleração.”

Rieder disse que tem ouvido comentários de grandes empresas como Walmart, Coca-Cola e McDonald’s, segundo ele, as empresas estão bastante preocupadas pois “não há dúvidas sobre a desaceleração significativa do consumo.” E isso está resultando em incertezas sobre o futuro, além de desaceleração de investimentos e contratações como resultado.

Ele afirma que algumas empresas deixaram claro que a renda disponível está diminuindo à medida que os consumidores são afetados pelo aumento do custo de necessidades, como alimentos e combustível.

Saiba mais: Norte-americanos estão gastando muito mais e comprando muito menos

Rieder acredita que será importante para os mercados perceber o quanto o Fed reconhece o impacto que a inflação e a economia em desaceleração estão tendo sobre os consumidores, particularmente a renda mais baixa.

Para o investidor, as medidas do Fed são agressivas demais, ele afirma veementemente não concordar que as taxas de juros “tenham que ir significativamente mais alto para diminuir as expectativas de inflação a longo prazo.”

Segundo ele, a pressão exercida sobre os consumidores de baixa e média renda é intensa demais.”

Medidas do Fed para conter a recessão?

Sobre uma possível recessão, Rieder acredita em 50% de chances “durante os próximos 9 a 12 meses,” mas não está preocupado com uma recessão profunda. Ele disse também que a invasão russa da Ucrânia alimentou ainda mais a inflação, que é fundamentalmente um problema de oferta, não um problema de demanda.

“O próximo relatório da folha de pagamento será realmente importante.” disse Rieder. “Acredito que será possível perceber o que está acontecendo é que as vagas de emprego, elas estão realmente diminuindo. E a transição para a contratação também está diminuindo, várias empresas já falaram sobre isso.”

Saiba mais: Governo Biden muda definição de recessão econômica

Rieder não espera que Powell apresente os próximos passos do Fed ao discursar na quarta-feira. Em vez disso, o investidor espera que Powell seja evasivo, “ele vai sugerir que as grandes mudanças para chegar à neutralidade foram realizadas,” acreditando que os mercados vão entender que uma subida de meio ponto seria possível na próxima reunião em setembro.

Falando sobre a flexibilização na forma de cortes nas tarifas no próximo ano, Rieder vê o mercado como “excessivamente zeloso.” Segundo ele, “os mercados exageram, os mercados vão a extremos. O Fed não deveria.”

Leia também:

Passfolio