Muitos usuários da plataforma têm vindo à público com histórias muito tristes (e até mesmo com ameaças suicidas) devido à recente declaração de falência da Celsius Network, mas o método escolhido talvez seja a melhor opção disponível para estes clientes. Entenda.

Travamento de saques e problemas de liquidez

Aqui no Cointimes reportamos sobre o caso da Celsius Network, em primeira mão, desde seu início. O caso envolveu um travamento inesperado dos fundos de seus clientes e o congelamento de todas as operações, incluindo saques e trocas (swaps).

Saiba mais: Celsius Network: corrida bancária, travamento e riscos. Entenda o que está acontecendo e o efeito dominó

Estes eventos demonstravam claramente que a empresa poderia estar passando por problemas de liquidez dos fundos, por más decisões de gestão de risco e caixa, sob o risco de não conseguir atender a demanda de saques em uma provável corrida bancária que ameaçava acontecer com rumores sobre o risco de insolvência.

No dia 14 de junho, há um mês, publiquei uma thread em meu Twitter pessoal que venho atualizando desde então com informações sobre o caso, comentando sobre empréstimos que a Celsius Network supostamente realizou com o capital de seus clientes como garantia. Operação que deu extremamente errado com a chegada do inverno cripto e culminou na atual declaração de falência da Celsius.

No dia 12 de julho, foi constatado que a plataforma de liquidez centralizada havia quitado seus empréstimos em outras plataformas de liquidez descentralizadas como a MKR-Vault, da stablecoin DAI e também na AAVE.

Saiba mais: Celsius paga suas dívidas e abre caminho para uma recuperação do BTC

Celsius declara falência pelo Capítulo 11 do Código dos Estados Unidos

Seguindo a linha do tempos dos acontecimentos, no dia 13 de julho, Celsius declara falência perante o tribunal dos Estados Unidos sobre o Capítulo 11 do Código dos EUA, justificando seus pagamentos pendentes, que ajudava para aprovação da solicitação deste tipo de falência pelas autoridades.

O que significa o capítulo 11 da declaração de falência usado pela Celsius?

Pelas leis norte-americanas, existem três maneiras diferentes de declarar falência, previstas pelos capítulos 7, 11 e 13.

Capítulo 7: É um plano de liquidação da pessoa física ou jurídica, onde ela aceita liquidar completamente todos seus ativos e pagar seus credores da melhor forma possível, sobre ordem de prioridade – nessa aplicação, os usuários depositantes da Celsius seriam os últimos a receber os pagamentos, se sobrasse algo (normalmente não sobra).

Capítulo 11: É um plano de recuperação e reestruturação da empresa, onde ela ganha tempo para pagar seus credores de maneira saudável que permita o melhor pagamento possível (sem prazo definido) e que a empresa consiga retornar às suas operações.

Capítulo 13: É semelhante à 11 por ser um plano de recuperação e não de liquidação total, mas é semelhante à 7 por exigir um plano mais concreto com datas estabelecidas e, na maioria das vezes, envolve um pagamento apenas parcial de seus credores, também em ordem de prioridade.

Clientes da Celsius Network estão insatisfeitos e com as vidas destruídas

Quando a Celsius declara falência e opta pelo modelo previsto no Capítulo 11, fica claro que a empresa pretende continuar suas atividades e ser capaz de pagar completamente tudo o que deve para seus clientes, conforme comunicado no press release oficial.

Apesar disso, a maioria destes clientes parece insatisfeita com a decisão e muitos inclusive têm comunicado que estão pensando em suicídio, por não verem mais saídas agora que perderam acesso aos seus fundos e reservas. Alguns comentam até que esconderam os empréstimos de suas famílias e têm contas atrasadas para pagar, pois contavam com os depósitos feitos na plataforma.

É compreensível que o desespero tenha tomado conta, ao entendermos que as más decisões da empresa estão prejudicando investidores que também acabaram tomando más decisões de exposição de risco. Estes são riscos inerentes da confiança de custódia dos fundos e não podemos isentar nem os investidores e muito menos a Celsius de suas responsabilidades sobre estes problemas.

O que a empresa fez foi gravíssimo e é possível que possa ser caracterizado como fraude em algum momento (dependeria da interpretação de juízes capacitados para fazer esse julgamento), mas a questão é que o erro já foi cometido.

Levando em conta que não podemos viajar de volta no passado e tomar novas decisões, é preciso analisar as alternativas possíveis e escolher o melhor caminho a trilhar.

Parece que a declaração de falência da Celsius foi a melhor decisão, entre dezenas de péssimas decisões do passado. Espero que tanto eles, quanto seus clientes, possam ter aprendido lições valiosas sobre gestão de risco, custódia, soberania e ciclos de mercado.

Leia mais:

Passfolio