Breaking News  
Uma recessão econômica em 2019 é quase inevitável Economia

Uma recessão econômica em 2019 é quase inevitável

Diretores financeiros de 212 empresas dos Estados Unidos estão pessimistas em relação ao futuro da economia americana. 82% deles acreditam em uma recessão financeira para 2020.

Cointimes
Cointimes

82% CFOs acreditam em recessão econômica para 2020

Os diretores financeiros (CFOs) americanos temem que a expansão econômica esteja quase no fim. Quase metade (48,6%) dos diretores financeiros dos EUA acreditam que os Estados Unidos estarão em recessão econômica até o final do próximo ano, de acordo com a pesquisa da Duke University / CFO Global Business Outlook divulgada na quarta-feira.

E 82% dos CFOs entrevistados pela Duke acreditam que uma recessão econômica começará no final de 2020. “O fim da explosão de crescimento econômico global, que durou quase uma década, está próximo”, disse o professor de finanças da Duke, John Graham, em um comunicado.

O pessimismo da pesquisa de CFOs em 2019 é surpeendente, porque os economistas convencionais ainda estão projetando um crescimento estável, embora mais lento, no ano que vem. Wall Street começou a sentir uma desaceleração econômica, evidenciada pela onda de vendas e extrema volatilidade que infecta o mercado de ações.

O S & P 500, com queda de 8%, está no caminho certo para seu pior trimestre desde 2011. Os bancos, que estão especialmente expostos a problemas econômicos, despencaram. Alguns economistas estão ficando mais preocupados, mas poucos acreditam em uma recessão econômica iminente.

recessão econômica

“Esse é um número surpreendentemente alto, talvez até chocantemente alto”, disse Russell Price, economista-chefe da Ameriprise, à CNN Business. “Não estou preocupado com uma recessão em 2019, a menos que isso ocorra devido a uma situação provocada pelo homem”.

Price disse que a economia dos EUA é forte o suficiente para evitar uma recessão no ano que vem, a menos que o Federal Reserve (banco central americano) cometa um erro ao aumentar agressivamente as taxas de juros ou a guerra comercial EUA-China “se deteriorar substancialmente”.

Guerra comercial gera preocupações

As ações de Trump ao conduzir uma guerra comercial contra a China vão se refletir no futuro com o desaceleramento global, fruto do aumento do protecionismo. Se no curto prazo, a economia americana está indo bem, as projeções para o longo prazo não são animadoras.

A pesquisa da Duke, realizada em 7 de dezembro e com CFOs de 212 empresas dos EUA, sinalizou que os diretores financeiros estão pessimistas quanto aos lucros das empresas. Os CFOs estão projetando um crescimento de 4,5% nos lucros para os próximos 12 meses, contra quase 13% em setembro. Os gastos de capital, as contratações e as estimativas de receita foram todos reduzidos.

Depois de atingir uma alta histórica no terceiro trimestre, o otimismo dos CFOs dos EUA com a economia diminuiu no levantamento da Duke deste trimestre. Sem nenhuma surpresa, os executivos estão tensos em relação a força de trabalho dos Estados Unidos.

A porcentagem de CFOs que relatam dificuldade em contratar e reter funcionários qualificados aumentou para um recorde histórico. (A pesquisa da Duke CFO começou em 1996.) As empresas foram divididas sobre o impacto da situação do comércio. Metade das condições e tarifas comerciais indicadas as prejudicarão, enquanto metade espera que o ambiente ajude.

Sinais de resfriamentos na atividade  econômica

Economistas tradicionais dizem que as chances de uma recessão econômica de 2019 aumentaram, embora não o considerem o caso base. Na semana passada, a S & P Global Ratings alertou que “sinais de resfriamento poderiam estar emergindo” na economia dos EUA. A empresa de classificação de crédito aumentou suas chances de recessão nos próximos 12 meses para um intervalo de 15% a 20%, de 10% para 15% em agosto.

“Este ciclo está se aproximando ou se aproximando rapidamente de seus últimos estágios”, disse a S & P. O JPMorgan Chase estima que as chances de uma recessão de 2019, com base em uma combinação de dados econômicos e sinais do mercado, subiram para 36%, um aumento de 11 pontos percentuais, quando comparamos os 25% no final de setembro.

A expansão econômica iniciada em junho de 2009 é a segunda mais longa da história americana. Se permanecer viva até julho de 2019, ultrapassaria o boom de 1991-2001 como a mais longa expansão já registrada.

Curva de juros ‘sinistra’

As perspectivas para 2020 parecem mais precárias. Apenas 18% dos CFOs entrevistados pela Duke acreditam que os Estados Unidos evitarão uma recessão antes do final de 2020. “Todos os ingredientes estão no lugar”, disse o professor da Duke Campbell Harvey no relatório. Ele apontou para a elevada volatilidade do mercado, o impacto do “protecionismo redutor do crescimento” e o “sinistro” achatamento da curva de juros.

A curva de rendimento é um dos cartomantes mais confiáveis ​​de Wall Street. A diferença entre os rendimentos de dois anos e de 10 anos do Tesouro está ficando desconfortavelmente próxima da inversão. Isso ocorre quando as taxas de curto prazo são mais altas que as de longo prazo. A inversão ocorreu antes de cada recessão nos EUA nos últimos 50 anos.

Não importa quando ocorrer a próxima recessão, os Estados Unidos podem ter um problema com a dívida corporativa. Pressionadas por baixas taxas de juros, as empresas americanas assumiram toneladas de dívida ao longo da última década.

A ex-diretora do Federal Reserve, Janet Yellen, disse ao colunista do New York Times Paul Krugman na segunda-feira que os níveis “bastante altos” de dívida corporativa são “um perigo”, segundo a CNBC. “Altos níveis de alavancagem corporativa podem prolongar a crise e levar a muitas falências”, disse Yellen.

Quer ficar por dentro das principais notícias internacionais? Não deixe de acompanhar esses textos:

Economistas se perguntam quando a próxima crise chegará

Crise econômica: como ocorre e como evitar

Guerra comercial pode gerar recessão – afirma China e também Europa

Principais bolsas americanas estão em queda e medo de recessão cresce

 

Gostou do conteúdo? Compartilhe com seus amigos nas suas redes sociais. Caso queira receber mais conteúdo como este, não deixe de assinar nossa Newsletter. Não se esqueça de favoritar o Cointimes.

Cointimes
Cointimes

Cointimes é um portal de conteúdo sobre a nova economia que está mudando o mundo. Aqui é um espaço aberto que busca ajudar a mudar a vida das pessoas através do conhecimento sobre blockchain, criptomoedas, educação financeira, investimentos, aplicações descentralizadas, inovação e empreendedorismo digital.

O Cointimes utiliza cookies com o objetivo de melhorar sua experiência em nossa página web e adaptar o conteúdo para torná-lo mais útil e acessível. Para mais informações, consulte a nossa política de cookies.