A economia dos EUA está a caminho de crescer apenas 0,6% em fevereiro, enquanto a atividade de serviços cai para níveis mínimos de muitos anos.

  • O Índice de Gestores de Compras dos EUA caiu pela primeira vez desde 2013.
  • A economia mais ampla dos EUA está no ritmo de crescer apenas 0,6% este mês.
  • Os planos de investimento das empresas foram contidos por temores de uma pandemia mais agravada.

Leitura recomendada: Dívida americana está crescendo mais rápido do que a economia, afirma presidente do FED


Economia dos EUA está paralisando, de acordo com IHS Markit

O índice de gestores de compras (PMI) do IHS Markit registrou 49,4 em fevereiro em uma escala em que 50 separa expansão da contração. O índice diminuiu de 53,4 em janeiro e é a primeira leitura negativa desde 2013.

O PMI de manufatura também diminuiu de 53,4 para 50,8 no mês anterior. Esse é o menor em sete meses.

O PMI composto de serviços e atividade de fabricação da Markit também se contraiu pela primeira vez em mais de seis anos, caindo para 49,6 em fevereiro, de 53,3 em janeiro.

Após um início de ano bastante robusto, a economia dos EUA parece estar à beira da contração em fevereiro.

Chris Williamson, economista-chefe de negócios da Markit, diz que os PMIs apontam para um crescimento do PIB de apenas 0,6% em fevereiro.

A empresa emitiu a seguinte declaração:

“Com exceção do encerramento do governo em 2013, a atividade comercial dos EUA se contraiu pela primeira vez desde a crise financeira global em fevereiro.

A fraqueza foi observada principalmente no setor de serviços, onde foi relatada a primeira queda de atividade em quatro anos, mas a produção manufatureira também parou quase devido a um estagnamento de pedidos.”

A fraqueza na produção americana estava parcialmente ligada ao atual surto de coronavírus, que afetou tudo, desde viagens e turismo a exportações e cadeias de suprimentos.

Segundo Markit, as empresas estão restringindo os planos de investimentos devido a “preocupações com uma desaceleração econômica mais ampla e incerteza antes das eleições presidenciais no final deste ano.”

Coronavírus desampara economia da China

O impacto do coronavírus nos negócios americanos é moderado em comparação com o que está acontecendo na China.

Centenas de milhões de pessoas estão sob algum tipo de quarentena, afetando tudo, desde a produtividade do trabalho até os gastos do consumidor.

A inflação está aumentando e as vendas de imóveis estão caindo como resultado.

Fabricantes estrangeiros que dependem das cadeias de suprimentos chinesas relataram grandes interrupções.

Um fabricante australiano de equipamentos industriais disse recentemente ao South China Morning Post que apenas 15% de seus trabalhadores migrantes chineses retornaram após o prolongado Ano Novo Lunar.

O impacto econômico do coronavírus pode se refletir nos próximos lançamentos de dados da China.

Na segunda-feira, o Departamento Nacional de Estatística de Pequim apresentará relatório sobre investimento em ativos fixos, produção industrial e vendas no varejo para o mês de janeiro.

Ainda não foram coletadas estimativas de consenso sobre os dados, de acordo com a FXStreet.

Os dados oficiais mais recentes mostram que quase 77.000 pessoas foram diagnosticadas com coronavírus. O número de mortos aumentou para 2.248.


Para ficar por dentro de tudo, siga o Cointimes nas principais redes sociais, Twitter, Instagram, Facebook, YouTube e Telegram.