A “morte do Bitcoin” já foi decretada diversas vezes por jornais, influenciadores e casas de análise, apesar das previsões a criptomoeda continua viva. Mas dessa vez, um usuário compilou o “cemitério dos bitcoiners”. Entenda o que ele é e qual a sua importância. 

Quem nunca viu reportagens como essas?

Todas elas fazem parecer que o Bitcoin é uma moeda usada por vilões da “Deep Web”  e criminosos obscuros. Isso é só impressão, a verdade é que menos de 3% das transações de bitcoin são usadas para crimes. Como sabemos disso? 

O Bitcoin é transparente, todas as transações de todos podem ser vistas a todo momento. Duvida? Basta entrar em sites como blockchair e digitar qualquer endereço de bitcoin já usado. 

É como se sua conta bancária estivesse aberta para o mundo e gravada para sempre. O pseudo-anonimato gerado pelos endereços de bitcoin pode ser facilmente quebrado se você usar algum serviço como exchange de bitcoin, compra de algum produto ou serviço que exija CPF mesmo anos depois de ter adquirido seus bitcoins, ainda será possível rastreá-los. 

O cemitério do Bitcoin

Partindo desse princípio, algumas empresas estão abusando da transparência do bitcoin para atacar seus usuários. 

Os relatos na internet sobre usuários de bitcoins que têm os fundos congelados por exchanges e são atacados pela mídia por fazer doações a grupos politicamente incorretos está aumentando. 

São esses os usuários que estão no “cemitério do Bitcoin”. Uma lista criada pelo pesquisador de privacidade Seth para denunciar os problemas do excesso de transparência da principal criptomoeda. 

Em um dos casos relatados, o jornal The Guardian foi capaz de rastrear doações para influenciadores ditos de extrema-direita e defensores de software livre, atacando-os por promover plataformas que permitem a liberdade de expressão. 

Em outro caso ainda pior, duas pessoas que doavam para um jornalista tiveram as contas em exchanges fechadas e os fundos roubados. 

“Dois dos meus doadores relatam que suas exchanges bloquearam suas contas depois que eles doaram Bitcoin para mim. Eu sou jornalista! Eu não cometo crimes. No ano passado, expressei forte oposição à análise de blockchain. Meu endereço de doação foi marcado em troca. Isso é puro mal.”, afirmou o jornalista e pesquisador Dark Fail. 

A chacina que pode encher o cemitério do Bitcoin

A falta de fungibilidade do Bitcoin pode criar uma “chacina” que tende a aumentar os casos relatados por Seth. Não apenas as exchanges estão bloqueando fundos de usuários politicamente incorretos, mas também os próprios mineradores de bitcoin. 

No dia 1 de maio de 2021, uma das maiores mineradoras de BTC dos EUA resolveu censurar transações que não estavam de acordo com as normas do Office of Foreign Asset Control (OFAC), bloqueando transações que o governo dos Estados Unidos não aprovaria. 

 “Até 2022, a Marathon espera ter implantado 103.120 mineradores para direcionar 10,37 exahashes por segundo, ou EH/s, para o pool de mineração — o equivalente a cerca de 6,4% da atual taxa combinada de hash da rede Bitcoin.”

Como resultado da expansão da Marathon, os bitcoiners politicamente incorretos podem ter suas transações atrasadas ou em última instância não processadas se empresas como a Marathon dominarem o concentrado mercado de mineração. 

Para Seth, alguns bitcoiners acreditam que podem se safar da censura apenas boicotando algumas exchanges e fazendo mixing (uma técnica que dificulta o rastreamento de transações), mas boa parte dos usuários de bitcoin não usa mixers e não boicota essas corretoras. 

Muitos Bitcoiners alegam que a fungibilidade pode ser obtida através de mais usuários misturando, ou pressionando e boicotando exchanges e serviços que sinalizam ou rastreiam transações de Bitcoin. Em teoria, isso é possível (suponha que em outro universo, usem mixers), mas por que dar chance ao acaso?”

E ele completamente afirmando que é muito complexo atingir um bom nível de pseudo-anonimato na rede do Bitcoin: 

Boas ferramentas devem incluir recursos de segurança por padrão, fortes o suficiente para resistir a ataques governamentais e sociais. Isso é preferível a depender da boa vontade dos governos e reguladores, ou da pressão de pares para garantir a fungibilidade do dinheiro digital. Você realmente quer que suas moedas sejam fungíveis apenas se sua avó seguir corretamente um guia de mixing de 50 páginas?

Enquanto a rede do Bitcoin não implementar soluções fortes de privacidade, Seth continuará usando moedas como Monero – que garante privacidade por padrão em todas as suas transações. 

Leia também:

Deep web abandona oficialmente o bitcoin: “como planejado”

Bitcoin é mais fácil de investigar que dinheiro ou transferências bancárias, diz promotora de justiça

Snowden critica demora dos desenvolvedores do Bitcoin

Passfolio