A China hoje detém 65% do poder de mineração do Bitcoin, esse fato é uma grande preocupação para bitcoiners que se importam com a descentralização da rede. Mas isso está para mudar.

A centralização da mineração de bitcoin na China acontece por dois fatores: energia barata e acesso fácil ao hardware. A principal companhia que produz hardware específico para mineração é a Bitmain, que chegou a dominar 60% do mercado.

Essa concentração sempre preocupou muitos investidores e holders, visto que bastaria uma execução bem feita de um decreto na China para a rede do Bitcoin perder boa parte do seu poder. Entretanto, muitos apontam que tal medida seja realmente difícil de ser implementada, visto que muitas províncias dependem da mineração.

Até mesmo a falta de chuvas pode afetar a rede, como mostramos no texto “Mineradores de bitcoin chineses sofrem com queda de energia“.

Mudança de centro e LinkedIn investindo no BTC?

Segundo Sully Yu, funcionário da Whatsminer, cerca de 40% das ordens das novas máquinas de mineração M30 foram para o exterior, principalmente Europa e Estados Unidos.

Provavelmente as ordens das mineradoras S19 Pro da Bitmain foram ainda mais demandadas por esses países. E realmente, tanto nos Estados Unidos quanto na Europa observamos a construção de grandes fazendas de mineração.

Nos Estados Unidos, por exemplo, está sendo construída a maior fazenda de mineração do mundo, com espaço equivalente a 57 campos de futebol e 300 megawatts disponíveis.

Enquanto isso no Canadá, a Blockstream continua alugando espaço para mineração corporativa, que conta como um dos investidores o fundador do LinkedIn Reid Hoffman.

A entrada desse grande capital fará com que a mineração de Bitcoin saia da China. Em conjunto com isso, temos também a criação de novos protocolos como o BetterHash desenvolvido pela Blockstream:

“O BetterHash é um protocolo aprimorado de pool de mineração, que dá aos mineradores individuais a capacidade de controlar quais transações de Bitcoin incluir em seus blocos recém-minerados.

Como resultado, a rede Bitcoin torna-se mais descentralizada e resistente à censura, pois os operadores de grandes pools deixam de determinar centralmente quais transações incluir em blocos.

Anunciou a Blockstream em seu blog oficial

Veja também: Como minerar Bitcoin? Vale a pena?