Passfolio

Alguns analistas parecem estar aliviados após o lançamento dos resultados trimestrais da fabricante de carros elétricos.

A Tesla relatou seus lucros por ação na quarta-feira, e eles superaram as expectativas dos analistas, com a receita crescendo em 42% em relação ao ano anterior. Por outro lado, as margens automotivas diminuíram devido à inflação e ao aumento da concorrência por componentes para veículos elétricos.

Analistas e investidores estavam preocupados com os resultados do segundo trimestre da Tesla, pois a empresa enfrentou uma miríade de problemas de produção em suas fábricas de Berlim, Texas e Xangai. Além disso, os holdings de bitcoin da Tesla levantaram a preocupação de que a fabricante de carros elétricos teria que ficar atenta com o acentuado declínio da moeda durante o trimestre.

Saiba mais: Tesla de Elon Musk vende 75% dos seus bitcoins

Passfolio

Os resultados mistos foram o suficiente para acalmar as preocupações dos analistas, pelo menos no curto prazo. Para Philippe Houchois, do Jefferies, todos os números chaves do demonstrativo de lucros e perdas surpreenderam positivamente com os aumentos de preços anteriores, alimentados pela Receita Média por Usuários.

Em uma nota intitulada “Alívio, considerando o que poderia dar errado no segundo trimestre,” Houchios manteve sua classificação de compra e o preço alvo de  US $1.050 no fabricante de automóveis.

Com o segundo trimestre fora do caminho, alguns analistas pensam que a Tesla está preparada para um segundo semestre de 2022 mais forte.

Ben Kallo, analista do banco de investimento Baird, disse que espera um desempenho superior visto que “junho foi o mês de maior produção da Tesla, com base na produção recorde em Fremont, Xangai retornando, e duas novas fábricas.” Ele também caracterizou o relatório do segundo trimestre da empresa como “melhor que o esperado.”

Nem todos estão otimistas com a Tesla

No entanto, alguns analistas disseram que não esperam nenhum movimento importante no preço das ações da Tesla no curto prazo.

Adam Jonas, do Morgan Stanley, escreveu em nota que “é difícil ver o que realmente abala o consenso sobre a Tesla até que a empresa demonstre uma falta de margem mais significativa e/ou vejamos evidências de novo perfil de crescimento de Berlim e Austin.”

Até então, Jonas vê o preço das ações como alto demais para os investidores automotivos, mas potencialmente atraente para os investidores de tecnologia. Ele manteve sua classificação de boa performance sobre as ações, e sua meta de preço de US $1.150.

John Murphy, do Bank of America, também vê as ações em um padrão de holding a curto prazo pois, apesar do desempenho “relativamente bom do segundo trimestre, temos receio de que as ações da Tesla já possam ter um preço perfeito (ou pelo menos um preço de crescimento hiperbólico), de modo que os ganhos a curto prazo podem ser insuficientes.” Murphy acredita que o desempenho da Tesla será como o esperado, e deu uma meta de preço de US $950 para as ações.

Jeffrey Osborne, do banco de investimento Cowen, também está procurando catalisadores para qualquer impacto significativo para as ações pois, segundo ele, as ações têm um alcance limitado “até que se evidencie que Texas e Berlim estão bem posicionadas.” Osborne acrescentou ainda que a orientação de crescimento da Tesla de 50% para o ano parece um tanto “agressiva,” mas elevou sua meta de preço de US $700 para $733.

A avaliação da Tesla também está bem acima da do mercado mais amplo – mesmo depois de ter caído quase 30% durante o ano. Por causa disso, alguns analistas não veem necessidade de mudar suas opiniões sobre a Tesla, mesmo após o relatório trimestral da empresa.

Toni Sacconaghi, do Bernstein, escreveu que embora o banco reconheça a inovação e o sucesso financeiro da Tesla, encontra dificuldade em “justificar a valorização da empresa.”

Segundo ele, “a avaliação da empresa é maior do que a de todos os outros grandes fabricantes de automóveis juntos, e parece implicar um enorme volume e uma lucratividade líder da indústria. Acreditamos que o risco/retorno nos níveis atuais não é atrativo para investidores de longo prazo.” Por isso, Sacconaghi manteve sua classificação de baixo desempenho e uma meta de preço de US $450 para a Tesla.

No momento da redação, a valorização das ações da Tesla (TSLA) estava em torno de US $784. 

Para investir em ações listadas na Bolsa de Valores de NY crie sua conta na corretora Passfolio, parceira oficial do Stocktimes.

Leia também:

Passfolio