No final de 2018 nós anunciamos que algumas criptomoedas e projetos iriam lançar nesse ano (2019), dentre elas estava a criptomoeda Grin um projeto extremamente interessante e quem tem atraído milhares de mineradores.

Para quem ainda não conhece, a Grin é uma criptomoeda focada em privacidade e anonimato. Nós falamos mais sobre ela no post abaixo:

https://cointimes.com.br/grin-a-moeda-inspirada-em-uma-magica-de-harry-potter/

Ela utiliza o protocolo mimblewimble para atingir os seus objetivos,que além de manter um bom nível de privacidade, permite a criação de um blockchain extremamente leve.

Mineradores entraram de cabeça

Grin, criptomoeda logo
Grin, criptomoeda

Todas essas características atraíram mineradores e investidores do mundo todo. Eric Meltzer, fundador da INBlockchain, em sua newsletter Proof of Work escreveu:

Há (pelas nossas estimativas conservadoras) 100 milhões de dólares sendo a maior parte investida em máquinas específicas para minerar Grin. Isso cria uma série de situações estranhas: isso torna um monte de pessoas que seriam compradores de grin em vendedores, mudando a composição do early holder, e isso significa que a cadeia de blocos já foi lançada com um alto grau de segurança via alto Proof of Work hashrate.”

Dificuldade de mineração
Fonte: https://grinmint.com/chart/block

A dificuldade de minerar um bloco aumentou 5x em apenas dois dias. Muitos investidores estão dizendo que a Grin é uma espécie de “bitcoin 2.0”, com anonimato real, descentralização e um projeto dirigido pela comunidade. Além de ter o seu próprio Satoshi Nakamoto, a história se repetindo?

Atualmente todo o financiamento do projeto vem da comunidade, foram levantados aproximadamente 40 mil dólares e os desenvolvedores declaram que estão fazendo o projeto por paixão pela tecnologia.

Veja também como o Bitcoin é financiado:

https://cointimes.com.br/quem-financia-o-desenvolvimento-do-bitcoin-conheca-as-organizacoes-por-tras-das-criptomoedas/

Grin, entusiasmo demasiado?

Atualmente a indústria de mineração tem passado por grandes dificuldades, muitas empresas estão falindo e as gigantes do setor como a Bitmain estão demitindo em todas as filias, como mostro na matéria abaixo:

https://cointimes.com.br/jihan-wu-ceo-da-bitmain-pode-renunciar/

Os mineradores da Grin esperam que a moeda se valorize ao longo do tempo, pagando os custos presentes no futuro. Cada Grin está sendo negociada por cerca de 0,03 bitcoins.

O que mal dá para pagar a conta de luz de tantos mineradores, o volume também não está alto, atualmente segundo dados do coingecko o total negociado em dólares não passa de 2 milhões.

Atualmente apenas alguns OTCs vendem a criptomoeda diretamente das pools de mineração, pois a tecnologia é tão nova que a integração com grandes exchanges ainda não foi executada com um bom nível de confiança.

E aí, o que você acha dessa nova criptomoeda? Tem interesse em aprender como minerá-la? Deixe nos comentários sua opinião.