No ano passado, o interesse no Bitcoin (BTC) aumentou, com a criptomoeda registrando movimentos de preços flutuantes caracterizados por uma alta histórica juntamente com correções significativas. Apesar do ativo passar por uma alta volatilidade, o interesse aumentou em meio à especulação sobre o próximo movimento de preços.

Dados do Google Trends indicam que, na semana que terminou em 12 de junho de 2022, o interesse pelo termo ‘Bitcoin’ atingiu uma alta de 12 meses com um pico de popularidade de 100. Notavelmente, o pico representa um crescimento de 35% em relação a pontuação de 74 registrada na semana que terminou em 27 de junho de 2021.

Em particular, El Salvador lidera o número de países que mostram o maior interesse pelo Bitcoin em 100. Em outras posições, Países Baixos ocupam o segundo lugar com uma pontuação de 27, seguida pela Nigéria com 26, enquanto a Suíça e Áustria empatam com 22.

Seguindo a tendência do resto do mundo, as pesquisas por “Bitcoin” no Brasil também veem máximas de 12 meses. Esses dados do Google Trends destacam os valores relativos ao período em que o termo de pesquisa teve o pico de popularidade. Este valor mais alto é considerado como 100, e todos os outros valores são calculados em relação a ele.

Passfolio

O que explica o aumento do interesse em Bitcoin?

Um aumento nas pesquisas relacionadas ao Bitcoin coincidiu com a avaliação de mercado de todo o setor de criptomoedas caindo para níveis históricos nos últimos meses. Na maioria dos casos, existe uma correlação entre as buscas de Bitcoin e o movimento do preço dos ativos, onde um aumento de buscas se reflete no preço.

Além disso, o número de pesquisas no Google por Bitcoin geralmente aumenta em momentos de curiosidade ou controvérsia. Notavelmente, o interesse veio depois que a criptomoeda abriu a semana com pequenos ganhos, com o BTC registrando altas acima dos cruciais US$ 20.000. Antes do último movimento de preços, o Bitcoin caiu abaixo do nível pela primeira vez em mais de um ano.

Consequentemente, o interesse no ativo pode ser visto como um aumento do interesse do investidor à medida que o medo de perder (FOMO – Fear of Missing Out) entra em ação. Notavelmente, após a correção do preço do Bitcoin, mais pessoas geralmente tentam se envolver para lucrar com um novo rali, esperando que o ativo se torne acessível.

Ao longo do período, o interesse no Bitcoin foi liderado por um frenesi de varejo que procurou se beneficiar do aumento do preço, em grande parte inspirado pela entrada das instituições no mercado.

Em meio à crescente volatilidade contínua, os especialistas sustentam que o Bitcoin subirá novamente, e a correção atual faz parte do crescimento. Por exemplo, o estrategista sênior de commodities da Bloomberg Intelligence, Mike McGlone, observou que, uma vez que a oferta de bitcoin diminua juntamente com o aumento da adoção, a principal criptomoeda estará alinhada para atingir um novo nível de cerca de US$ 100.000 até 2025.

Por outro lado, também bate recorde de buscas o termo “bitcoin dead” (“bitcoin morto” em português), conforme notado pelo trader Alex Kruger no Twitter:

No entanto, mesmo com o preço em baixa, o Bitcoin foi declarado morto 52% menos no primeiro trimestre de 2022 em comparação com 2021, de acordo com o Bitcoin Obituaries.

Leia mais:

Passfolio