Um relatório do Ministério das Finanças Alemão mostrou os riscos das criptomoedas para o sistema financeiro e o maior destaque foi a moeda privada Monero.

++ Possível criador do Bitcoin recomenda Monero

++ Livro sobre Monero bate recorde de vendas

De acordo com o relatório e ao contrário do que muitos pensam, a criptomoeda Monero é a que apresenta o maior risco para o sistema financeiro atual.

O relatório diz que as técnicas criptográficas aplicadas pelo Monero tornam “impossível” o rastreamento de dinheiro, e o anonimato adquirido aumenta as chances de abuso em futuras atividades criminais

Monero é uma alternativa ao Bitcoin

Entretanto, o Bitcoin ainda é uma das moedas mais usadas no mercado negro (só atrás do Dólar e outras moedas estatais), apesar disso, ela apresenta pouca privacidade e anonimato se compararmos ao Monero.

bitcoin na deep web
Criptomoedas mais usadas na deep web

O Bitcoin é encontrado em praticamente todos o mercados da deep web, enquanto o Monero está presente em apenas 10, segundo estudo da Mosaic.io.

Mas parece que isso pode mudar, pelo menos é o que indica o relatório alemão:

” Com uma capitalização de mercado ainda relativamente pequena, as criptomeodas anônimas ganham cada vez mais aceitação na Darknet e podem se torna uma alternativa ao Bitcoin”

De fato, segundo as pesquisas da Mosaic, os usuários de moedas privadas são mais propensos a usá-las como verdadeiros meios de pagamento:

monero meio de pagamento

Apesar da possível rivalidade, muitos dos desenvolvedores do Bitcoin já trabalharam para o projeto do Monero. Inclusive, as propostas mais importantes de melhoria para o Monero foram primeiramente teorizadas por desenvolvedores do Bitcoin Core.

A agência anunciou que eles vão seguir as diretrizes da União Europeia quanto a responsabilidade sobre a lavagem de dinheiro e financiamento ao terrorismo – responsabilizando exchanges, wallets e serviços de custódia.

Para ficar ligado nas criptomoedas que mais dão medo aos reguladores, siga o Cointimes nas redes sociais – Twitter, Facebook, Instagram.


Agências de espionagem, propaganda e criptografia. Conheça mais sobre os cypherpunks (precursores do Bitcoin) com o livro Cypherpunks de Julian Assange: