Um preocupante vazamento de dados verificado pela agência ProPublica mostra que poderemos ver o estouro de uma bolha imobiliária como a que aconteceu em 2008, porém, acelerada com o novo vírus.

A grande crise de 2008 que derrubou os mercados globais e é sentida até hoje, foi principalmente causada por um grande número de hipotecas inflacionadas. O dinheiro das hipotecas era dado para investidores que não tinham condições de pagá-las.

Como resultado, os gerentes dos bancos ganhavam suas gordas comissões e as dívidas eram securitizadas e revendidas, infestando a economia com títulos tóxicos. No final, os bancos ganharam dinheiro dos pagadores de impostos, os gerentes saíram milionários e o único preso foi um jornalista que denunciou o esquema.

Doze anos depois, há evidência de que algo similar está acontecendo novamente.

Dica: Você pode entender melhor a crise de 2008 com o filme A Grande Aposta.

A fraude agora é outra

Alguns dos maiores bancos do mundo – incluindo o Wells Fargo e o Deutsche Bank -, bem como outros credores, se envolveram em uma fraude sistemática que lhes permitiu conceder aos mutuários empréstimos maiores do que os suportados pelas suas reais capacidades, de acordo com uma denúncia anteriormente submetida à Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos (SEC) no ano passado.

Entretanto, a fraude agora é outra. Enquanto em 2008 ela foi em hipotecas residenciais, segundo a denúncia, agora ela ocorre em propriedades comerciais, escritórios, varejos e complexos empresariais.

A denúncia foca em uma série de títulos com valor de US$1 bilhão que já foram revendidas para investidores como Títulos Comerciais Lastreados em Hipotecas ou CBMS em inglês.

Conforme a denúncia, os credores e emissores de títulos estão alterando os dados financeiros da propriedades comerciais, aumentando seu valor. Como resultado, os tomadores de empréstimo conseguem mais dinheiro do que eles poderiam pagar.

Isso realmente está acontecendo?

Recentemente, a agência ProPublica analisou seis empréstimos que foram parte de um CBMS e os dados batem com a denúncia.

“Os lucros históricos relatados para alguns edifícios foram listados até 30% mais altos do que os lucros relatados anteriormente para os mesmos edifícios.”, afirma a agência.

Seria como um proprietário dizer que em 2017 ele teve rendimentos de R$100.000,00 e após um processo de hipoteca ele muda de ideia e diz que teve rendimentos de R$130.000,000.

O que parece estar acontecendo é realmente uma grande fraude fiscal e o governo está alimentando o problema com mais dinheiro.

Outras anomalias foram encontradas nos CMBS, como mudanças de nomes das propriedades e até mesmo de endereços de um CMBS de um ano para o outro. Foram identificadas mais de US$150 bilhões em CMBS com anomalias.

Alimentando o problema e o catalisador viral

Com a chegada do Covid-19, milhares de empresas fecharam nos Estados Unidos, levando a um nível de desemprego jamais visto na história do país. E as hipotecas de CMBS começaram a desabar, com a inadimplência subindo repentinamente.

A crise dos CMBS estava ficando evidente e outra bolha imobiliária massiva poderia estourar.

Depois de sofrer lobby de organizações de investidores imobiliários, Trump pressionou o FED que resolveu ajudar quem tem CMBS. O Banco Central dos EUA permitiu que os títulos podres fossem usados para pegar empréstimos como colateral.

E qual é a consequência disso? Assim como na crise de 2008, o FED está recompensando os fraudadores e alimentando uma possível bolha. A SEC, apesar de ter a denúncia há 1 ano ainda não agiu e se recusou a comentar sobre o caso.

Bancos e suas fraudes, “200 milhões de trouxas”

Conforme mostramos ontem, a confiança no setor bancário está caindo e outras formas de investimento, como o bitcoin, estão sendo cada vez mais cogitadas pelo grande público.

gráfico uso de bitcoin confiança

E não é só nos Estados Unidos que as fraudes acontecem. O Itaú foi multado em R$4 bilhões por fraude fiscal, recentemente mostramos o lado obscuro do Banco Safra e a lista poderia seguir com o Banco Panamericano e por aí vai.

Não sabemos quando e se essa nova bolha imobiliária vai estourar, mas temos certeza de que o setor bancário tradicional é cada vez menos bem-visto pela sociedade.

Conforme o Ministro Paulo Guedes, são 200 milhões de trouxas explorados por seis bancos.

Você está preparado para outra bolha imobiliária?