Se você já está familiarizado com Bitcoin, já ouviu falar de altcoins, criptomoedas alternativas à moeda de Satoshi Nakamoto. Mas o que poucas pessoas sabem, é o que o próprio Satoshi achava da ideia de criar diferentes blockchains.


Ouça mais sobre o que são altcoins:


O criador do Bitcoin foi uma figura singular, além de demonstrar profundo conhecimento em diversas áreas como criptografia, segurança digital e economia, conseguiu proteger perfeitamente o seu anonimato na era da informação. E por fim, sumiu do projeto e deixou ele caminhar com as próprias pernas.

Provavelmente ele decidiu dessa forma para proteger uma das características que gostaria que sua moeda tivesse, a descentralização. Se uma pessoa tivesse o poder de decisão sobre o desenvolvimento da moeda, como é em várias das altcoins, o Bitcoin seria centralizado.

Coinext 760x150

 

Acredito que por isso ele quis se manter apenas como uma peça do projeto, até porque ele não fez nada do zero, o Bitcoin é fruto de ideias anteriores que não conseguiram sair tão bem do papel, como bit-gold, b-money, hashcash, etc.

A PRÉ-HISTÓRIA DO BITCOIN | .DOC #1

A primeira altcoin teve o apoio de Satoshi

Ao solucionar os problemas que impediam uma moeda digital de ser funcional sem a necessidade de intermediários, o Bitcoin, que é um software de código aberto, abriu espaço para outras moedas.

A primeira criptomoeda surgiu no fórum BitcoinTalk de uma ideia de descentralizar totalmente o sistema de nomes de domínio (DNS), e ganhou o apoio de Satoshi e Gavin Andresen, os dois principais desenvolvedores do Bitcoin na época.

Curiosamente, o objetivo de servir como um sistema de registro de domínio descentralizado pode ter sido parcialmente inspirado pela própria experiência de Satoshi em comprar o domínio bitcoin.org em 2008.

Para pagar por um domínio enquanto mantinha o anonimato, Nakamoto teve que usar o anonymouspeech.com, que permite que esse serviço seja adquirido usando gift cards.

O projeto tinha dúvidas se conseguiria funcionar em cima do Bitcoin, então pensou em criar um blockchain próprio. O problema era: se a maioria dos mineradores direcionassem o poder de computação para essa nova criptomoeda, o blockchain do Bitcoin de repente não seria mais tão seguro.

Então Satoshi propôs uma solução:

“Eu acho que seria possível para o BitDNS ser uma rede completamente separada e uma cadeia de blocos separada, mas compartilhar o poder da CPU com o Bitcoin.”

“Os mineradores trabalhariam nas duas redes em paralelo.”

Ao ser perguntado qual seria o incentivo para participar do outro blockchain, Satoshi explicou:

“O incentivo é obter como recompensas das cadeias laterais extras também para o mesmo trabalho.

Enquanto você está gerando bitcoins, por que não recebe também nomes de domínio grátis para o mesmo trabalho?

Atualmente, você gera 50 BTC por semana, agora pode obter 50 BTC e alguns nomes de domínio.”

De forma semelhante, quem quisesse receber nomes de domínio realizando a prova de trabalho do BitDNS, por que não aproveitaria para ganhar uns bitcoins?

O BitDNS foi posteriormente chamado de Namecoin (NMC), e a altcoin aplicou a ideia de Satoshi.

Satoshi não era um ‘Bitcoin Maximalista’?

Ainda no mesmo tópico, Satoshi mostrou sua preocupação com a escalabilidade do Bitcoin, caso os usuários quisessem manter tudo na mesma cadeia de blocos. Com isso, ele mostrou seu apoio a criação das altcoins para as mais variadas funções.

Afinal de contas, o blockchain procura ser um conjunto de dados imutáveis, e se a rede ficar grande demais para ser baixada, a facilidade de participar da rede ficaria comprometida.

“Empilhar todos os sistemas de quorum por Proof-of-Work do mundo em um conjunto de dados não é escalável.

Bitcoin e BitDNS podem ser usados ​​separadamente. Os usuários não deveria ter que baixar os dois para usar um ou outro.

Os usuários do BitDNS podem não querer baixar tudo o que as próximas redes não relacionadas decidirem acumular.

As redes precisam ter destinos separados. Os usuários do BitDNS podem ser completamente liberais ao adicionar grandes recursos de dados, já que são necessários relativamente poucos registradores de domínio, enquanto os usuários do Bitcoin podem se tornar cada vez mais tirânicos quanto à limitação do tamanho da cadeia, facilitando a utilização de muitos usuários e dispositivos pequenos.

Ao que Hal Finney, desenvolvedor que recebeu a primeira transação de bitcoins de Satoshi, comentou:

“Satoshi, você está endossando a ideia de que cadeias de blocos adicionais criariam suas próprias moedas, que seriam negociadas com bitcoins em bolsas?

Essas moedas específicas da cadeia seriam usadas para recompensar os mineradores nessas cadeias e para adquirir alguns tipos de direitos ou privilégios no domínio dessa cadeia?”

Satoshi então reafirma seu pensamento, e continua com suas previsões, dessa vez sobre o maior preço das taxas do Bitcoin:

“Certo, a taxa de câmbio entre domínios e bitcoins flutuaria. … Será muito mais fácil se você puder usar livremente todo o espaço necessário sem se preocupar em pagar taxas pelo espaço caro na cadeia do Bitcoin.”

Vale notar também que na primeira frase em que defende a criação de altcoins, o criador do Bitcoin parece ter previsto os small blockers, usuários como Nick Szabo, que propõe inclusive a diminuição do tamanho dos blocos.

A questão da limitação do tamanho do blockchain foi o motivo para o encarecimento das taxas e o surgimento de outras altcoins, como o Bitcoin Cash. E tudo bem, na criptoeconomia você escolhe qual modelo de consenso e quais políticas monetárias você prefere seguir.

Restou alguma dúvida sobre o tema? Tem curiosidade sobre a visão de Satoshi sobre algum outro assunto? Deixa nos comentários abaixo!

BitcoinToYou –  Negocie criptomoedas sem pagar taxa   A primeira corretora do Brasil, negociamos criptomoedas desde 2010.  Abra sua conta grátis!   Abrir conta

Invista em criptomoedas com segurança, alta liquidez e as menores taxas do mercado.

NovaDAX: a exchange mais completa do Brasil com mais de 25 criptomoedas listadas e a melhor nota de atendimento ao cliente.

Conheça novadax.com.br