Passfolio

As instituições financeiras em todo o mundo estão buscando formas de regular e incorporar a indústria de criptomoedas em suas operações, mas um funcionário do banco central da África do Sul foi acusado de espalhar informações falsas, prejudiciais para a nova classe de ativos.

As alegações feitas por Kuben Naidoo, vice-governador do banco central da África do Sul (SARB), de que “90% das transações com criptomoedas” são usadas para fins ilícitos, foram fortemente criticadas por Steven Boykey Sidley, um professor universitário e autor sul-africano.

Em seu artigo de opinião para a mídia local Daily Maverick, de 27 de julho, Sidley refletiu sobre os comentários de Naidoo de que “a maioria dos casos de uso cripto em todo o mundo não tem sido honesta,” como ele foi supostamente informado por seus “homólogos nos EUA.”

Leia também: SEC acusa 11 indivíduos vinculados a um esquema de pirâmide cripto

Passfolio

Sidley criticou Naidoo por estar “lamentavelmente mal informado” sobre este assunto, alimentando “o pior da desinformação que acaba nas manchetes das notícias e faz danos imensuráveis a uma nova e importante indústria.”

Desmentindo as informações 

De acordo com o autor, apenas 0,15% das transações criptográficas estão envolvidas em quaisquer assuntos criminosos, citando o relatório da Chainalysis, uma plataforma analítica que ele disse ter sido “utilizada pelo FBI e agências forenses e de supervisão e regulamentação em todo o mundo.”

“As verdadeiras estatísticas são continuamente reunidas e relatadas por numerosas empresas de análise de dados. (…) O número de transações cripto vinculadas à atividade ilícita na blockchain é de 0,15%.”

Explicou Sidley

Em comparação, “o número de transações vinculadas a transações ilícitas no mundo real de rands e dólares, onde vivemos, é de 5%. Isso é 50 vezes maior do que o cripto,” afirmou Sidley.

No entanto, é importante ressaltar que a adoção de criptomoedas abrange um público muito menor do que o uso de moedas fiduciárias, portanto as porcentagens não devem ser comparadas diretamente ou como tendo o mesmo peso.

Ainda assim, Sidley destacou que a vantagem das transações na blockchain é o fato de que elas são públicas, e por isso seria “impossível cometer um crime silencioso,” enquanto crimes financeiros com moedas fiduciárias seriam “muitas vezes fáceis de esconder.”

Leia também: 3AC foi pego em mentira pelas autoridades de Singapura

Além disso, Sidley abordou a decisão do SARB de regular criptomoedas como ativos financeiros, criticando-a como uma tentativa de “forçá-los na regulamentação existente, projetada há muitas décadas para ativos com centenas de anos como ações, moedas, commodities e similares.”

Segundo ele, “não vai funcionar,” pois “classes inteiramente novas de ‘coisas’ digitais precisam ser definidas corretamente antes que todo o campo possa ser racionalmente regulado.”

Leia mais:

Passfolio